Pincel Atômico – uma coluna sobre mulheres nas artes gráficas

Site novo, coluna nova. Talvez seja melhor a gente se apresentar! Somos a Laura Athayde e a Roberta AR, editoras da coluna de artes do novíssimo site do Minas Nerds, que vai ao ar todas as terças. Juntas, traremos matérias e entrevistas sobre arte e quadrinhos, focando principalmente (mas não somente!) em produções alternativas, projetos independentes legais e artistas fodonas fora do mainstream.

Não tem ideia de quem somos? Então vamos falar um pouquinho sobre o que nos trouxe até aqui:

10168141_827548103984370_5839369314452653794_n

Oi! Eu sou a Laura, tenho 26 anos e faço quadrinhos. Ilustrações também, e escrevo artigos sobre temas variados, especialmente pra Revista Capitolina.

Desde que eu entrei em contato com o quadrinho independente nacional, no final de 2013, e descobri a infinidade de possibilidades temáticas e estilísticas dessa linguagem, comecei a fazer as minhas tirinhas e não parei mais. Hoje, sou um orgulhoso membro dessa classe sofrida e mal paga: sou quadrinista!

Eu conheci o feminismo na mesma época. Através de autoras como a Aline LemosLovelove6 e muitas outras, percebi não só que havia produção sobre temas que me interessavam e com os quais eu me identificava, mas também que existia público pra eles. Até então eu tinha sido uma ávida consumidora de Turma da Mônica, mangás e alguns comics, mas nunca tinha lido nada que descrevesse com tanta precisão o meu cotidiano, as minhas ideias sobre o mundo. Eu senti que havia diálogo ali e até hoje acho que essa é uma das partes mais importantes de ser um artista independente: você conhece o seu público. Vocês se encontram em feirinhas de zines nos finais de semana, conversam pelo Facebook, trocam experiências e crescem juntos.

O quadrinho que eu gosto de ler e de fazer é autoral e reflete as minhas vivências. Por isso, com frequência eu falo sobre assédio na rua, sobre como as pessoas julgam a roupa que a gente veste… mas falo também sobre gatos e sobre aquela vontade que bate às vezes de ser uma samambaia.

A minha participação em grupos de mulheres dedicados à arte, como o querido Minas Nerds e o Arte das Mina, foi abrindo meus olhos cada vez mais pra diversidade da beleza e da sexualidade femininas e pra importância de representar esses muitos tipos de mulheres. Contudo, eu não me sentia apta a falar sobre as experiências tão particulares de mulheres negras, trans, gays… por isso, comecei uma série chamada “Aconteceu Comigo”, em que transformo em quadrinhos relatos de pessoas reais.

Se você se interessou pelo meu trabalho e gostaria de ver mais, pode acompanhá-lo no Facebook e no Tumblr.

Se quiser ler quadrinhos novos todo dia, feitos por mim e por mais 6 artistas (bem) diferentes, é só dar um pulo na página da Mandíbula no Facebook.

E, finalmente, se você gostaria de conhecer mais quadrinhos feitos por mulheres, recomendo que se liguem no Lady’s Comics!

 

Eu sou a Roberta. Publiquei meus primeiros zines em 2014: Por acaso?, com a Luda Lima e que pode ser lido online, e Uma pessoa asquerosa, que também está disponível online, pela Pingado-Prés (pequena editora da Ivy Folha e da Beeanca Muto), e Pés – volume I e Cabelos – volume II (este ano), pelo selo Rabanete (da Clara do Prado). Também sou editora do blog Facada x, que publica texto e imagem de domínio público e material novo dos editores e de convidados, além de um podcast que está em hiato, mas deve voltar.

Capa de Pés – volume I

Eu sou paulistana, mas moro em Brasília há mais de dez anos e foi na capital que comecei meu contato com as publicações independentes. Em 2007, fiz a assessoria de comunicação, vulgo divulgação, do zine Bongolê Bongoró 2, um dos primeiros a reunir colaborações de ilustradores e quadrinistas de boa parte do país e de fora. Graças a esse zine, a equipe toda embarcou para Lisboa, num intercâmbio com a associação portuguesa Chili com Carne, para o evento Brucutumia – encontros de arte urbana luso-brasileira, que aconteceu em fevereiro de 2008 e rende parcerias e trocas até hoje.

Minha atuação na cena independente foi basicamente na assessoria e divulgação, no início. Em 2010, trouxe para Brasília a Jam Session de Quadrinhos promovida pela HQMIX livraria, que contou com a participação de quinze ilustradores e quadrinistas que fizeram ao vivo seus capítulos da história O Crime do Teishouku Preto. Consegui colocar 30% de mulheres, o que achei uma vitória na época, pois a cena sempre invisibilizou as meninas e foi uma luta encontrar mulheres para preencher a lista de autores.

Tenho focado mais recentemente no meu trabalho como autora e publiquei colaborações minhas na revista Samba, no jornal Pimba e no zine português Mesinha de Cabeceira, edição Seitan Seitan Scum, neste último um trabalho gráfico, além de ter me tornado zineira.

Obrigado pela preferência, publicado no Seitan Seitan Scum

 Meu contato com o ativismo e a ideia de protagonismo feminino e jovem (já não sou mais tão jovem, mas ainda luto para que ele aconteça) começou em Parelheiros, bairro periférico de São Paulo em que vivi até os vinte e cinco anos. Lá fui militante da Pastoral da Juventude do Meio Popular e das Comunidades Eclesiais de Base, no início dos anos 1990 (sim, faz bastante tempo), e, desde aquela época, acredito que é possível fazer coisas incríveis em grupo, mesmo tendo levado várias rasteiras no caminho, o que faz parte.

Além do Facada x, mantenho um blog de anotações pessoais e textos um tanto ficcionais e estou nas redes sociais, é só me procurar.

É isso! Se você se interessa por quadrinhos independentes, ilustrações, zines e quer saber o que as minas andam produzindo, venha nos visitar de vez em quando.

Abraços!


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Laura Athayde

Após terminar a pós graduação em Direito Tributário, em 2014, passou a dedicar-se à ilustração e ao quadrinho. Participou de diversas publicações coletivas, como o livro Desnamorados, Revista Farpa, Revista RISCA!, Antologia MÊS 2015 e Catálogo FIQ 2015. Lançou também HQs solo, algumas das quais podem ser lidas online em issuu.com/lauraathayde. Como se não bastasse fazer quadrinhos, resolveu escrever sobre eles na coluna HQ Arte do MinasNerds.