Resenha: Mas ele diz que me ama – Graphic Novel de uma relação violenta

Uma das coisas mais difíceis para quem está num relacionamento afetivo é admitir que vive uma relação abusiva. Para as mulheres isso é ainda mais complicado, pois somos educadas a encarar a brutalidade dos parceiros como um tipo de amor. Por esses dias, rodou nas redes sociais a foto de uma menina de quatro anos que foi agredida por um colega de escola e teve que levar quatro pontos no rosto. Seria apenas mais uma história de briga entre colegas, se não fosse o comentário do enfermeiro que atendeu o caso e disse para a garotinha que o menino que a agrediu provavelmente tem uma “quedinha” por ela. Desde crianças somos educadas a acreditar que homens amam com violência.

Essa longa introdução é para justificar a resenha desta novela gráfica que já tem quase dez anos de publicação no Brasil, mas acredito ser uma leitura obrigatória: Mas ele diz que me ama – Graphic novel de uma relação violenta, de Rosalind B. Penfold.

maseledizque

Rosalind, na verdade, é um pseudônimo usado pela autora que decidiu preservar sua privacidade, mas achou fundamental expor passo a passo o desenrolar de uma relação abusiva, a sua própria, como forma de alerta para as mulheres.

Uma publicitária de sucesso, Roz, que tinha sua empresa, um apartamento, entre outras coisas, com apenas 35 anos de idade, começa a se relacionar com Brian, um homem recém viúvo, com quatro filhos pequenos. Uma relação intensa, irresistível, com muitas flores e bilhetes românticos. Os episódios abusivos começam a aparecer já no início da relação, mas ela se recusa a ver, pois o ama e acredita que é um exagero de sua parte, pois ele sempre se desculpa e a “compensa” de alguma forma.

Segundo Rosalind, um relacionamento abusivo é assim: “ Quando conheci Brian, me apaixonei profundamente. Imaginei que viveríamos um romance de conto de fadas. E vivemos… por algum tempo… ATÉ QUE AS COISAS COMEÇARAM A MUDAR. Ignorei as primeiras frustrações, os joguinhos sutis e me recusei a acreditar no que acontecia até perceber que estava afundando em uma areia movediça de ABUSOS VERBAIS, EMOCIONAIS, SEXUAIS e, por fim, FÍSICOS”.

Com um traço simples, direto, fruto dos diários de Roz durante a relação, esse quadrinho vai relatando ao longo das suas mais de duzentas páginas, como podemos nos recusar a ver que estamos numa relação abusiva e como essas feridas vão se intensificando, tornando cada vez mais difícil nos desvencilhar e encerrar o ciclo.

Roz também deixa claro que é fundamental o apoio de pessoas queridas, amigas, amigos e de profissionais, que uma mulher dificilmente consegue sair disso sozinha.
Fruto desse livro, está no ar o site Dragonslippers (o nome original do livro) – Friends of Rosalind, que disponibiliza para impressão uma lista de alertas para quem quiser saber se está vivendo uma relação abusiva ou não (em inglês) e indica instituições de apoio a mulheres que sofrem violência doméstica em várias partes do mundo.

O livro está disponível em nove línguas e ainda está à venda no Brasil, já presenteei algumas amigas com ele recentemente (possivelmente assustei alguma com a HQ, mas achei importante dar).

Acompanhar a história de Rosalind nos faz perceber o como é comum e o quanto é difícil se perceber como protagonista de uma história como essa. No meu caso a coisa é bem estranha, porque ganhei meu exemplar deste livro de um namorado que estava todo empolgado com essa HQ que poderia ajudar tantas mulheres a poupar um longo período de sofrimento, mas que ao mesmo tempo fazia gaslighting comigo, o que demonstra que precisamos estar sempre alerta, pois o machismo é algo que se pratica (ou se reproduz, no caso das mulheres) no piloto automático e muitas vezes não nos damos conta.

 

Mas ele diz que me ama – Graphic novel de uma relação violenta
Rosalind B. Penfold
Ediouro
264 páginas
http://www.dragonslippers.com/


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Roberta AR

Gosto de escrever (o que acabou virando trabalho) e de café. Participo da cena de quadrinhos independentes desde 2007, atuando principalmente na divulgação e na produção. Também sou zineira e escritora.