Wolf Children – A saga de uma mãe solteira

Lá está você…

Batendo o maior papo com a sua rodinha de amigos (não nerds) e calha de comentar que está assistindo um “tal anime lá”. Sejamos sinceros, a primeira imagem que brotará na cabeça deles será daquelas school girls de sainhas super curtas, vários dramas colegiais envolvendo primeiros amores e todo aquele blá blá blá bem batido…

Drama Escolar
Ah o amor… <3

Quando não, os mesmos colegiais pilotando mechas e/ou na maior pancadaria com armaduras e esguichando muito sangue. Sem falar em super sayajins… Nunca me esquecerei de Tenjou Tenge, o anime que me fez pensar por alguns instantes que escolas japonesas só serviam de palco para rolar “A maior treta”. *haha*

Luta
Pode não estar claro, mas eles estão na escola e de uniforme, acredite! xD

A realidade é que nós otakus, fãs de animes e mangás, sempre sofremos com aquele olhar reprovador de quem acha que isso é coisa de criança ou, no muito, de adolescentes.

Olhada
Aquela olhada que até gela…

No entanto, o que normalmente as pessoas comuns não sabem é que a produção de animes é farta no Japão e, justamente por isso, são produzidos para diversos públicos, de várias idades e até mesmo diferentes gêneros. Ou seja, lá anime não é coisa de criança só não! *Nã ná ni ná não! * 😉

A título de curiosidade, explicarei de forma bem simples e rápida os principais gêneros que encontramos em anime e mangá:

Kodomo: desenvolvido para crianças, com histórias que visam ensinar o correto e moral, para que assim se tornem adultos melhores.

Mahô Shôjo (Magical Girls): estrelados por garotas com poderes mágicos.

Yuri ou Shōjo-ai (Girls Love) e Yaoi ou Shōnen-ai (Boys Love): ambos envolvem relacionamentos homossexuais entre garotas e garotos, respectivamente. Porém, tanto o termo Yuri quanto o termo Yaoi abordam relacionamentos não só do ponto de vista romântico, mas também do aspecto sexual. Já os Shōjo-ai e Shōnen-ai lidam puramente com o romance; muitas vezes platônico.

Josei e Seinen: produzidos para jovens adultos em diante, pois lidam com assuntos mais maduros. Josei é direcionado ao público feminino, já o Seinen é direcionado ao público masculino.

Hentai: termo nosso, aqui desse lado do globo, para descrever produções pornográficas.

Ecchi: também apresenta conteúdo sexual, porém mais leve e comedido; geralmente apresenta humor sexual bem característico.

‘Tá tudo ótimo, tá tudo lindo… Mas depois desse “apanhadão” todo aí, pergunto: porque é mesmo que estamos falando disso?’

*Eu já ia chegar lá, juro! hehe*

O real motivo de tudo isso é… Tãn dãn dãn dãaan! O supe-duper-master-advanced anime movie chamado: Wolf Children! Ai, ai meu kokoro<3

O diretor e co-escritor é Mamoru Hosoda. Aquele cara que também dirigiu The Girl Who Leapt Through Time de 2006 e Summer Wars de 2009, enquanto ainda trabalhava na Madhouse... Já que o mais legal é descobrir que para produzir nosso filme queridinho, ele saiu de lá e criou seu próprio estúdio, o Studio Chizu. Contudo, a Madhouse não sumiu completamente de cena, pois tem parceria na produção do nosso longa. O responsável pelo design dos personagens foi, nada mais nada menos que: Yoshiyuki Sadamoto, o mesmo designer de personagens em Neon Genesis Evangelion (1995).

A história é sobre uma moça que conhece um cara legal na faculdade e descobre que ele não é inteiramente humano. *Sinto cheiro de cachorro molhado no ar, hein…* Eles acabam tendo dois filhos, mas devido a um sumiço misterioso *sem spoilers! ><’* ela acaba tendo de criar as crianças sozinha.

Estamos falando de um josei para mães solteiras gente! Sério, olha que formidável isso! Quem foi mesmo que disse que animes são para criança, hein? E quem achou que mães nunca teriam representatividade em animes? Acho bom aceitar, pois se reclamar vai ter mais, hein! *Reclama, reclama! hehe*

Personagens

*Agora vem a parte boa!* 😉

Hana

Hana

Logo de início percebemos que Hana é uma universitária solitária que mora sozinha em um pequeno apartamento e é bastante esforçada. Sua natureza é delicada e doce, sempre tentando ser útil e agradável. Mas surpresa: é ela quem toma a iniciativa minha gente! Estão vendo, os tímidos também sabem o que querem e vão atrás do que é seu. xD

Quando ela conhece nosso Homem Lobo, sua vida muda completamente. Ao se tornar mãe, e se ver novamente sozinha, enfrenta desafios que jamais poderia ter imaginado ser capaz de superar. Diversas vezes durante o anime, ela repete o fato de que “deveria ter perguntado mais sobre o passado dele” enquanto podia.

Também não é para menos! Imagina só onde ela foi amarrar o burro dela: ficou com um cara que é meio lobo (super normal, SQN), engravidou duas vezes praticamente que seguidas e o dito cujo escafedeu-se. Como é que se cria crianças lobo? O que elas comem? E o que fazer quando ficam doentes? Se é que adoecem… Essas e várias outras perguntas vão surgindo na vida dela das mais absurdas e inesperadas maneiras enquanto ela faz malabarismos para tentar criar as crianças, continuar estudando e conseguir um emprego. Fora o lance dos lobos, essa situação toda não passa muito longe da realidade de muitas e muitas mães solteiras por aí. ‘E ela consegue Sarinha?’ Bem, isso você descobre assistindo*hoho*

Homem Lobo

Homem Lobo

Pois é, ele não tem nome. Como o longa é narrado pela filha mais velha de Hana, ela diz só “pai” quando quer falar dele. Existem momentos onde seus documentos são focalizados na tela, mas… *Como dizer isso?* Eu não leio japonês, minha gente! Desculpa aí… Mas ainda não cheguei nesse nível. *haha* Porém, acredito que o nome realmente seja um mistério, já que procurei em diversos sites e todos se referem a ele simplesmente como “Homem Lobo”. A participação do rapaz é somente nos primeiros minutos de filme, pois como já mencionei, ele desaparece. Como assim? Pois é, não sei. *Shiiiiiiiiu, segredo!*

Nosso Homem Lobo, ao contrário do que se pode imaginar de cara, é um rapaz bem discreto e na dele. Sofreu muito durante a sua infância por puro preconceito familiar. É do tipo caladão que só se manifesta quando necessário, mas é extremamente bondoso e percebe-se que tem muito amor dentro de si. E apesar de tudo o que já mencionei sobre o papai aí, ele é dedicado à família. Trabalhador e esforçado, acaba ajudando indiretamente a Hana, pois ela e as crianças sobrevivem por muito tempo somente com as economias dele.

Yuki

Yuki

Pensa naquele furacão: pensou? Pois é essa garotinha super fofa aí. Eu simplesmente adoro a Yuki. Ela tem personalidade, topa qualquer negócio e só quer se divertir. Adora atormentar o irmão dela (de forma positiva! xD) e explorar! Não para quieta nem um minuto e por isso é responsável por enlouquecer a mãe em vários momentos. *haha*

No entanto, o mais interessante nesse movie é ver a evolução dos personagens. Com o passar do tempo, essa garotinha espoleta vai desenvolvendo outros gostos e outras vontades… Vivenciando situações que a fazem perceber qual o verdadeiro caminho que deseja seguir.

Ame

Ame

Esse garotinho é o fofolete mais doce que você já viu na terra. Dá vontade de pegar no colo e ficar fazendo cafuné (não podemos esquecer que eles são meio lobos e que quando se transformam ficam lindinhos de morrer! *-*).

Para a alegria da mãe dele, o Ame é uma criança bem calma e companheira. Ao contrário de sua irmã exploradora, ele prefere passar o tempo ao lado da “mamis” na maior tranquilidade. Por ter uma personalidade mais passiva, acaba se revelando bem tímido, tendo grande dificuldade para interação humana. E assim como sua irmã, de acordo com seu crescimento, acaba sendo obrigado a fazer escolhas que podem ou não divisar seu caminho do resto da família.

Nos finalmentes…

Eu sou meio suspeita para falar, pois cá estou eu escrevendo tudo isso aqui com o maior carinho, mas… Eu verdadeiramente AMO essa animação! Ao assistir você ri, chora, se emociona e principalmente: se apaixona. *The feels man, the feels…* É muito especial mesmo. Impossível assistir e não conseguir se ver (pelo menos um pouquinho) na luta daquela mãe em criar seus filhos da melhor maneira possível. Assim como nossos pais, assim como nós quando nos tornamos pais, ela acerta, erra… Mas no final, mais acerta do que erra. <3

E aquelas crianças então? Eu ria demais com as peripécias deles, lembrando-me das vezes em que eu mesma quase enlouqueci a minha mãezinha querida. Do começo ao fim, não tem como não se identificar com pelo menos um personagem ou não relembrar uma passagem sequer da sua infância ou de suas vivências como mãe.

Para me despedir, deixo uma imagem linda dessa família que eu aprendi a amar e sentir saudades em tão poucos minutinhos de filme…

Wolf Family

Jaa ne! 😉

Links de referência

https://en.wikipedia.org/wiki/Children%27s_anime_and_manga

https://en.wikipedia.org/wiki/Magical_girl

https://en.wikipedia.org/wiki/Yaoi

https://en.wikipedia.org/wiki/Yuri_(genre)

https://en.wikipedia.org/wiki/Josei_manga

https://en.wikipedia.org/wiki/Seinen_manga

https://en.wikipedia.org/wiki/Ecchi

https://en.wikipedia.org/wiki/Hentai

https://en.wikipedia.org/wiki/Wolf_Children


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Sarinha Tomoyo-chan

Um bichinho fofo saltitante cor de rosa que ama chocolate, cafuné e abraços. *o* Ávida gamer de jogos da Steam, Blizzard e Level Up! Apaixonada <3 por Harry Potter, Star Trek/Wars, Indiana Jones, Karekano, Gankutsuou, Clannad, Fate Stay Night… E muitas outras toneladas de filmes, animes, mangás, games, séries e livros. Sites como Netflix e Crunchyroll, tanto quanto lugares como FNAC e Livraria Cultura têm fortuna garantida nas mãos dela! xD | EMAIL: sarinha.tomoyo-chan@minasnerds.com.br