Last Cinderella – Uma (quase) quarentona de A-titude!

*Oyaji-gal – Uma moça que se parece/age como um homem velho…

É essa pequena palavrinha, uma “brincadeira” de uma das amigas da protagonista, que pode resumir facilmente a atmosfera do primeiro episódio do dorama que abordaremos hoje. (Esse gênero, também conhecido como j-dramas, refere-se a séries feitas diretamente para a Tv.)

Mal sabia nossa heroína que uma saída inocente com as amigas iria render muito barulho por nada…

*Eu entendi a referência… hoho*

Sakura Barbuda - Diálogo 2

Só com esse diálogo já deu para sentir o drama básico da moça, não é? Lembro que desde criança me chamam de “alma velha”, pois fui o “temporão” da minha mãe… Ou a rapinha do tacho, como dizem os antigos. Por isso, não tive crianças com quem brincar, pois para contribuir a vizinhança é perigosa e meus irmãos eram bem mais velhos do que eu, com 8 e 13 anos de diferença. Convivi com muitos adultos, especialmente amigos dos meus pais graças a esses detalhes. Era aquela criança que ficava quieta no canto só ouvindo e absorvendo tudo o que os adultos a minha volta falavam e faziam. *e quando cresci mais usei todo o arsenal acumulado por anos contra eles, mwahahaha* Contudo, claramente esse não é o caso da Sakura, não. Nossa linda protagonista que, vale lembrar: também é badass!

Após o infame diálogo, percebemos que ela está com um medinho de estar realmente se tornando um homem velho, já que está com o pezinho na casa dos quarenta (está com 39 anos) *como se isso fosse ser velha cof cof cof* e percebe que sua rotina é bem similar aos homens mais velhos.

É interessante mencionar, inclusive, que no início do episódio nós acompanhamos a rotina da moça e não faltam momentos em que a observamos ao lado de homens mais velhos, ambos praticando hábitos peculiares à idade mais avançada e frequentando locais onde tal público masculino predomina. São momentos, situações, estilos e maneirismos que só servem para acentuar o quanto ela realmente foge do comum, padrão e aceitável para uma mulher de sua idade… Especialmente para uma mulher, ponto.

Gato Tá certo jovem 2

Nós, fãs fervorosos de animes e mangás, podemos dizer com certa segurança existir uma abundância de protagonismo infantil ou adolescente no material divulgado aqui no Brasil. São poucas as exceções: aquela série interessante com personagens mais velhos que são *nossa que incrível* o foco da trama e possuidores de uma personalidade forte ainda é raridade, infelizmente. Mas as coisas estão mudando… Quero acreditar. *bata palmas se você… Não pera, isso aqui não é um filme e eu não sou uma fada!* Não é à toa que quando encontrei esse dorama, passeando como quem não quer nada pelo Crunchyroll, eu simplesmente fiquei assim:

Alminha saindo da boca 2

Sobre a história

Last Cinderella – Elenco Principal

O nome deixa meio óbvio – uma mulher que sai a procura de seu príncipe encantado. E por isso vocês devem estar esperando o seguinte: a típica gata borralheira encontra uma fada madrinha metafórica do mundo moderno que a transforma… E *boom* tá aqui um príncipe novinho em folha para você. Só que: no! *haha*

O que mais gosto dessa “releitura” de um clássico é que, além de terem escolhido uma mulher mais madura para o papel principal da futura “princesa”, eles inovaram em tudo. Nossa queridíssima não é aquela que é transformada, mas sim a que transforma! *hoho*

‘Como assim gente?’

Primeiro temos o fato de que ela trabalha em um salão de beleza. Ela faz cortes, penteados, massagem, aconselhamentos, café e varre chão… A mulher não é bombril, mas é multiuso. 😉 E olha que com esses dotes, alguns poderiam chamar nossa heroína de fada madrinha das lindezas existentes por aí… Extremamente competente no que faz, não é uma profissional de pouca bagagem não, principalmente por amar sua profissão. Cuida de seus clientes como ninguém e é a subgerente do local. Inclusive, isso reflete e um dos principais questionamentos de toda a equipe de trabalho: qual o grande empecilho nesses longos oito anos de carreira para nunca terem lhe dado uma promoção para gerente… Mistério? *mulher, né cof cof cof – tossinha insistente* Até que a vaga fica novamente disponível, mas é preenchida por um homem que pasmem: é um “amigão” de sua adolescência com quem *finja surpresa aqui* nunca mais teve contato logo após iniciarem suas carreiras.

Só muda para “oh sister!”, que de resto nem precisa de legenda…

Claro que temos aquelas fórmulas manjadas: cenas, caras e bocas bem comuns dos animes. Ao ponto de você rir quando olha para a Sakura e pensar ‘cara, tô vendo que ela é gente, mas não: ela é um anime!’. Aproveito o ensejo para explicar que esse foi um dos motivos para abordar um dorama aqui na nossa coluna. Pois, além de ser visível a grande influência bem caricata dos clichês de animes (não só nas tramas, como mencionei), também abrangem o mundo dos live-actions, que nada mais são do que as mesmas histórias que amamos ver e ler nos animes e mangás famosos, só que filmadas com atores e atrizes do mundo real.

Sem falar que é tudo a respeito da cultura desse mundinho particular chamado Japão, certo? Já foi mencionado anteriormente por minha companheira de editoria Rach Asakawa (ver matéria aqui) que a produção mainstream lida muito com a cultura e a maneira específica de pensar e viver dos japoneses. E não só isso: mas também com o nicho do nicho e seu público bem específico. São poucos os casos de obras que conseguem sobreviver e alcançar o sucesso saindo dessa ilha. *tu dum tssss 😉 piada cretina de duplo sentido, sei que foi, mas eu ri. haha*

Voltando a nossa pauta… A protagonista, com seu jeito bem original e único de ser, muda a vida de todos a sua volta. Acaba com estereótipos, pré-conceitos e até mesmo princípios e estilos de vida. A mulher é lacradora, minha linda gente brasileira! ^^

Depois de uma conversa um tanto quanto conturbada com esse “novo” gerente do salão ela se vê virar motivo de risada e com isso aceita o desafio da vida e dos limões. Ela sai à luta para provar para todo mundo que ela só estava sozinha por querer e se quiser tem qualquer pessoa ao seu lado. Altas aventuras engraçadas começam e é aí que entra o gatinho mais novo na vida da nossa sister.

O rapazola que surge na trama, como que em um sonho de tão perfeito que é, traz consigo uma bagagem um tanto quanto perturbadora. Seus motivos, a princípio não são tão puros assim, mas com o passar do tempo e a vivência ao lado da nossa beldade faz com que ele cresça, mude e amadureça. Chega a ser bastante emocionante ver como os dois vão se desenvolvendo como um casal. Ele por nunca ter tido nada sério e sincero com ninguém… Ela por simplesmente nunca ter se dado tempo e oportunidades de amar. Somos apresentados a outro pretendente não tão surpreendente assim *é, o tal gerente “parça” da adolescência* do meio para o final da série. Ele acaba dando o braço a torcer, mas demora muito para admitir, primeiro para si mesmo, depois para outros e, principalmente, para a Sakura quais são seus reais sentimentos.

Personagens Principais

Sakura Tohyama

Sim, não foi um momento lá muito encantador… *haha* Mas é isso que eu mais amo na Sakura, nossa lindíssima heroína *no pun intended*. Sei que já falei bastante dela, mas ela tem direitos de protagonista, por isso ganha mais espaço. *hehe* Ela é simplesmente autêntica. É uma mulher que sabe quem é e não sente necessidade de seguir diretrizes de ninguém além dela mesma. Apesar de inicialmente, mas bem no começo mesmo, você sentir aquela vibe de damsel in distress insegura e coitadinha no ar, isso muda totalmente conforme os episódios vão passando e você vai entendendo mais um pouco sobre ela.

Curiosamente, mesmo sendo do meio “beleza e moda” (profissionalmente falando), não se deixa influenciar por isso. Escolhe tudo, dentre roupas e afins, de forma prática e para que sejam confortáveis… Veja bem, tudo tem que se encaixar a quem ela é e não o contrário. Mas não se engane, com isso não estou dizendo que é relaxada, que não liga para se sentir bonita, e todo aquele blá blá blá. Em diversos momentos Sakura dá um trato no visual quando vai sair ou pra algum evento especial. Só estou dizendo que she doesn’t give a shit pra opinião alheia. Falando nisso, vemos em vários momentos ela não ter papa na língua e dizer com todas as letras o que acha ou o que não acha, principalmente quando está ao lado daquele gerente chato *pois é, não fui muito com a cara do pobre*. O cara adora infernizar e curtir com a cara dela. Mas a vida continua e o mundo dá voltas meu amigo… Há!

Sobre a personalidade da moça, ela é divertida, fala o que precisa e quando precisa, sabe se divertir e aproveitar as coisas boas da vida sem a menor vergonha de estar pagando mico ou não. Tem as mais belas atitudes perante a vida, nos dando várias lições de como um livro definitivamente não se deve ser julgado pela capa.

Hiroto Saeki

Tá, depois da escolha desse .gif comprometedor eu admito que tenho uma queda por ele… A carne é fraca minha gente e o rapaz tem talento no quesito sedução, fala a verdade! *-* Enfim… *huh… introduza cara de let’s talk business aqui* Apresento-lhes o “príncipe”, ou melhor, o primeiro candidato para tal, da Sakura. Eles se conhecem logo no início da série e em uma situação muito engraçada. Tem uma cena que eu chorei de rir com a cara de “safadeeenho” que ele fez quando diz para a Sakura ‘você queria me comer inteirinho agora, não é?’. Pode soar um pouco metido, mas gente… O garoto tem panca para isso. *haha*

Ele é bem mais novo que nossa heroína, com 24 aninhos apenas. Uma criança ainda! <3 *olha eu pagando de vovó que não sou. haha * Com o passar do tempo vemos que ele não é só uma carinha bonita e cheia de segundas intenções não tão boas assim. Ele se esforça na vida, pois vive à margem familiar e tem, por escolha própria (até certo ponto), de se manter. O rapaz tem um sonho: se tornar um grande skatista famoso mundialmente. Quando a Sakura descobre isso o apoia completamente, o estimulando muitas vezes a não desistir nunca de seus objetivos, pois tem enorme talento para o esporte.

O relacionamento dos dois é bem divertido e progride aos passos de uma criança mesmo, pois a moça é novata em um monte de coisas, acreditem. O babado é forte amigas… xD Hiroto é uma das pessoas que mais sofrem transformações graças a nossa heroína. Junto dela, ele aprende muito sobre a vida e, principalmente, sobre si próprio. O que mais gosto ao ver os dois juntos é como eles desafiam a sociedade de forma natural e desprendida. Ouve-se e vê-se muita descriminação por ser um casal com diferença de idade evidente e, claro: por a mulher ser a mais velha. Novidade… Cougar é a maneira como americanos se referem as “tias” que gostam de pegar os “novinhos”. Mas digo-lhe uma coisa: ambos já passaram faz tempo da maioridade e são perfeitos um para o outro, inclusive em seus defeitos. Simplesmente por seguirem aprendendo juntos sobre a vida e, mesmo não intencionalmente, ensinam um ao outro sobre como encarar determinadas situações.

Rintaro Tachibana

Em compensação, confesso que não me preocupei em escolher um .gif que invocasse boas impressões do gerentezinho aí. *hoho* Em minha defesa, foi meio chato encontrar .gifs só com ele. 😉 Mas seja sincera: essa cara de bunda dele já diz que ele não é lá muito agradável… Nosso primeiro contato com Tachibana é quando ele chega ao salão para seu primeiro dia de trabalho como gerente. Por ele ser novo, ninguém o conhece (além da protagonista) e nem sequer sabiam que a matriz iria mandar um novo gerente tão rápido. Ele é tão arrogante que vem direto da festa de despedida do último cargo, cheirando a álcool e com cara de malandro. Desde o início trata Sakura com desdém e aproveita todas as deixas para poder curtir uma com a cara dela. Não perde uma única oportunidade sequer.

Tá certo que no fundo ele não é tão ruim assim, por mais que me doa dizer. *sou time hiroto desde criancinha, sabe né* Se prova um bom gerente, apesar das folgas que dá com todo mundo, e é realmente talentoso e dedicado a sua carreira como profissional de renome da área. Participa de concursos, o que melhora o status do salão. É um “cavalheiro a moda antiga” e esconde um coração machucado e ressentido por um grande amor que não deu certo. É uma boa pessoa, só não gosto dele. *me reservo aos meus direitos, oras… haha*

Personagens Secundários

Last Cinderella – Elenco Secundário

Em ordem de aparição da esquerda para direita, temos: Chiyoko Ohgami, Shima Hasegawa, Miki Takeuchi e Kohei Takenouchi. Chiyoko é uma jovem adulta, assim como Hiroto, só que não possui nem um quarto do charme do rapaz. Logo de cara percebemos que é mimada, pois vem de família rica. Tentam aprofundar um pouco a personagem lhe conferindo uma história com um “quê” traumático, porém eu achei que a trama e a atriz não venderam muito bem esse peixe não, então não funcionou muito comigo. Não simpatizei o suficiente a ponto de perdoar ou até mesmo entender e ver uma extensão plausível para suas atitudes irritantes e por muitas vezes, puramente maléficas.

Shima e Miki são as melhores e inseparáveis amigas de Sakura. As duas vivem sidestories na trama, fazendo com que possamos nos aprofundar um pouco mais na vida das duas e ver suas personagens desenvolverem melhor. Shima tem uma personalidade mais extrovertida, é ativa e adora ser o centro das atenções. É tipo a Sam do Sex and The City, sai à caça e não pensa duas vezes em conquistar o gato quando o quer. *o terror dos omi. hoho* Mas ao contrário da Samantha que abraça isso até o final *divosamente, devo dizer…*, ela acaba mudando sua forma de pensar por sentir um vazio na sua vida e começa a trilhar um caminho um pouco diferente… Mas não deixa de ser quem é por isso não—que fique registrado.

Miki é a esposa e dona de casa japonesa dos sonhos masculinos: cozinha maravilhosamente bem, cuida primorosamente da casa e dos filhos. *o sonho machista ideal* O único “porém” em sua vida é ter um relacionamento truncado com a sogra. A mãe de seu marido a vê como alguém facilmente manipulável e acaba interferindo no bem estar familiar, pois incute muitos sentimentos negativos em nossa personagem fofa e sensível. Quando decide mudar o rumo que sua vida está levando, acaba caindo em uma cilada, mas consegue dar a volta por cima e aprende com seus erros se empoderando. *you go girl!*

Kohei é o marido de Miki. É retratado como o típico workaholic japonês, aquele que chega cansado em casa e só pensa em comer e dormir. Literalmente. Nem sequer imagina o “climão” que a sua mãe causa na vida da esposa e muito menos que a família está a um passo de uma catástrofe e não estou me referindo a problemas econômicos (que eles também tem). Uma das problemáticas mais importantes discutidas através deles é a famosa falta de sexo no casamento. Kohei vive situações inusitadas que o levam a um caminho tortuoso e bem, esperado. No entanto, toda a confusão armada pelas mais diversas estripulias nos intriga, pois é quando vemos o quanto às pessoas não são só pretas e nem só brancas… Todos somos cinza. *hehe*

Point da galera

Kenichi Endo - Ponto de Encontro 2

Não poderia deixar de falar do Kenichi Endo. Ele é um dos melhores amigos de Tachibana e o dono do restaurante e bar que acaba virando o ponto de encontro de todos os personagens da série, vez ou outra. Por ser das antigas, ele também conhece a Sakura, apesar de não ter uma amizade muito profunda com ela a princípio. Várias situações alegres e hilárias nos aguardam entre essas paredes, assim como nas do banheiro de lá. *hi-mi-tsu!* (se-gre-do!) Mas a vida não é feita só de rosas e sendo assim cenas bem tensas e tristes nos aguardam aí também. Kenichi faz a vez de centralizador de informação, já que todo mundo passa por ali. É homossexual assumido (apesar do Tachibana avoado não perceber isso sozinho) e tem uma ótima relação com todo mundo por ser um fofo de carteirinha. Demora, mas também encontra seu lugar ao sol na planície dos romances cor de rosa… O que é bem legal, pois o casal é muitooh my god, tenho de shippar!. ^^

Por fim…

São 11 episódios de muita diversão garantida, de muita risada, de emoção, de rever conceitos e pré-conceitos, de se ver no lugar do outro e entender o motivo das coisas… E claro: de se ver representado. Não vou mentir que não tem aquele drama básico, nem que é a coisa mais profunda e visceral que eu já vi na vida. Longe disso! *haha* Mas no requisito entretenimento, tem muitos pontos legais para se discutir, sim. Não sei vocês, mas eu sempre penso na vida com qualquer coisa que vejo/leio… Se eu consegui refletir até lendo Twilight *que me perdoem os fãs, veja bem: também gosto dos livros, mas vamos ser honestos que não a coisa não tem aquela pegada forte!*, vocês com certeza também conseguirão com Last Cinderella. 😉

E para ilustrar a nossa despedida de hoje, uma das minhas cenas preferidas!

Claro que tinha que ter beijo romântico derrete coração! *time Hiroto 4 EVA*

 

Jaa Ne! 😉


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Sarinha Tomoyo-chan

Um bichinho fofo saltitante cor de rosa que ama chocolate, cafuné e abraços. *o* Ávida gamer de jogos da Steam, Blizzard e Level Up! Apaixonada <3 por Harry Potter, Star Trek/Wars, Indiana Jones, Karekano, Gankutsuou, Clannad, Fate Stay Night… E muitas outras toneladas de filmes, animes, mangás, games, séries e livros. Sites como Netflix e Crunchyroll, tanto quanto lugares como FNAC e Livraria Cultura têm fortuna garantida nas mãos dela! xD | EMAIL: sarinha.tomoyo-chan@minasnerds.com.br