Tardígrado: o tamagotchi real com superpoderes e um conto sobre reprodutibilidade de resultados

Tardígrado ou urso d’água é uma criatura muito peculiar, de corpo pequeno (menos de 0,5 mm) e quase indestrutível. Os superpoderes, que tornam o tardígrado inabalável e duro de matar, estão associados à capacidade de resistir a temperaturas extremas de -272 a 150oC,  a sobreviver a altos níveis radiação e também ao vácuo espacial. Suas habilidades especiais conferem o poder de habitar os mais diversos ambientes e até os mais inóspitos lugares como a Antártida e as profundezas do oceano. Geralmente, tardígrados são encontrados em ambientes úmidos. Porém, quando há ausência de água, o corpo do tardígrado sofre um processo de dessecação e eles são tão surpreendentes que podem sobreviver sem água por 10 anos. O tamagotchi ideal para aqueles sem muito tempo. Para mais instruções de como cuidar do tardígrado, clique aqui. Eis que estes pequenos super-heróis foram alvo de grande polêmica no meio cientifico nos últimos dias.

Tardigrade_With eggs
Tardígrado com seus ovos. Fonte: https://www.flickr.com/photos/loarie/12627719184/in/photostream/

Como os tardígrados adquiriram esses superpoderes?

Para obter respostas sobre a origem dos supepoderes dos tardígrados, cientistas  investigaram diretamente da possível fonte: o DNA do tardígrado. Dessa forma, cientistas da Universidade da Carolina do Norte publicaram pela primeira vez o genoma de uma espécie de tardígrado: Hypsibius dujardini. Surpreendentemente, os resultados desse estudo mostraram que os tardígrados possuem quase 17,5% de DNA de outras espécies, como bactéria, plantas e fungos. Os cientistas relatam que os tardígrados adquiriram esse DNA através de um processo chamando transferência horizontal de genes. Transferência horizontal de genes é um fenômeno que ocorre quando o material genético não é proveniente do organismo progenitor (processo vertical) e sim de outros organismos (processo horizontal).

Tardigrado_PNAS
Hypsibius dujardini. Foto: Sinclair Stammers

Os cientistas acreditam que o fato do DNA do tardígrado conter DNA de outras espécies, processo resultado de seleção randômica,  pode ter propiciado o aparecimento dos superpoderes. Os autores desse estudo também relatam que o processo de dessecação pode estar relacionado com a indução do processo de transferência horizontal de genes. Durante processo de dessecação, o núcleo celular fica mais permeável e isso facilita a entrada de DNA de outras espécies. Além disso, os cientistas da Universidade da Carolina do Norte sugerem que as condições extremas favoreceram o aumento de transferência horizontal de material genético e a transferência horizontal de genes nos tardígrados desencadeou uma maior resistência em condições extremas.

Os Tardígrados realmente possuem uma alta quantidade de DNA de outras espécies em seu genoma?

Em apenas 1 semana após a publicação do grupo da Universidade da Carolina do norte, um grupo de cientistas da Universidade de Edimburgo, também publicou uma outra análise do genoma da mesma espécie de tardígrado. Interessantemente, os cientistas da Universidade de Edimburgo obtiveram resultados muito diferentes daqueles originados pelo grupo da Universidade da Carolina do Norte. O grupo rival mostrou que a porcentagem de material genético proveniente de outros organismos não era alta (menor de 1%), como foi documentado pelo primeiro grupo.

Por que os resultados são diferentes?

Reprodutibilidade de experimentos é uma questão que vem sendo debatida. Em relação a estes estudos, o grupo de cientistas de Edimburgo acreditam que o primeiro grupo não fez uma limpeza nos resultados obtidos, incorporando resultados de sequência de DNA de outros organismos, como bactérias, que estavam presentes nas amostras. Para análise de DNA, os cientistas analisaram amostras contendo um pool de mais de 1000 tardígrados. Além do DNA do tardígrado, o material continha DNA de bactérias que vivem dentro dos tardígrados como também DNA proveniente de alimentos digeridos pelos tardígrados, como algas. O grupo de Edimburgo ainda discute a probabilidade da análise do primeiro grupo ter sido mais subjetiva, com tendência de somente registrar certas leituras de algumas sequências de DNA.

No entanto, o grupo da Universidade da Carolina do Norte diz que o DNA de outras espécies está fisicamente ligado ao DNA do tardígrado, fato que indica a veracidade de seu resultado.

Quem está certo?

Um terceiro, quarto, quinto grupo deverão responder essa questão.

O mistério da origem os superpoderes do tardígrado ainda está no ar ou  nos genes 🙂

To be continued…

Slide1_crop

 

Agradecimentos:

Helen Miranda e Tamiris Santos Pessoa pela revisão de texto.

Fontes:

Clique nas palavras em negrito.

Foto em destaque: https://www.flickr.com/photos/rikomatic/14861877160/in/photostream/


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Isabelle Tancioni

Sou veterinária, cientista, hipster, Tiki, nerd, geek. Gosto de comics, música, cartoons, animais, plantas.