Fofura nerd: amigurumis

(Texto: Jhosselin Vieira)

Às vezes é complicado para algumas pessoas entedenrem porque uma moça de 20 anos, estudante de Publicidade e Propaganda é apaixonada por fazer bichinhos de crochê.

Vou contar um pouco de como me encantei por essa técnica que me levou a outros tipos de artesanato envolvendo agulhas e linhas/lãs.

Tardis/Doctor Who (Foto: Jhosselin Vieira)
Tardis/Doctor Who (Foto: Jhosselin Vieira)

Desde criança, sempre tive curiosidade de aprender crochê, mas achava muito complicado e sabia que não teria paciência pra isso (eu tentei outras formas de artesanato, mas não deram certo).

Há exatamente dois anos vi minha cunhada fazendo crochê e perguntei se ela me ensinava… e com muita paciência eu aprendi os pontos mais básicos, mas percebi que não gostava muito de fazer caminhos de mesa e muito menos roupas… até que um dia eu vi uma foto do Jake de Adventure Time feito de crochê e me interessei demais pela técnica e logo corri atrás de fazer pesquisas e aprender a execução dela. Era bem complicado achar tutoriais em português, então resolvi arriscar e assisti um tutorial em Espanhol (Já assisti até em Russo), mas era só prestar atenção no que a pessoa estava fazendo e assim fiz o meu primeiro amigurumi.

Poporing/Ragnarok (Foto: Jhosselin Vieira)
Poporing/Ragnarok (Foto: Jhosselin Vieira)

Mas é muito complicado encontrar vídeos de amigurumis envolvendo o universo nerd, então, alguns eu tive que criar a receita de cabeça – o que é um pouco complicado dependendo do personagem.

Confesso que fazer amigurumis é um tipo de terapia, quando estou muito estressada eu pego minhas linhas e agulhas e vou fazer algo. Agora além de fazer crochê também aprendi tricô e bordado moderno (e aprendendo feltragem), então não faltam opções para colocar as minhas nerdices em cada ponto e deixar a casa lotada de amigurumis e bastidores cheios de referências.

Estrela da Morte/Star Wars (Foto: Jhosselin Vieira)
Estrela da Morte/Star Wars (Foto: Jhosselin Vieira)

Eu prefiro fazer amigurumis para dar de presente (é tão bom ver a felicidade das pessoas ao verem bichinhos fofinhos de crochê) , já tentei vender, mas as pessoas acham caro demais.

Bom… essa é uma parte da minha história com os amigumis, eu ainda tenho vários projetos guardados, então trarei algumas novidades em breve! Veja mais:

Este slideshow necessita de JavaScript.


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Aline Pereira

Mestre Pokémon e jornalista. Amante do cinema (e da pipoca com manteiga), compro camiseta de super-herói na seção infantil e nas horas de tédio tento mover objetos com o poder da mente. (Tô no Twitter @alineperr)