A desenhista que sobreviveu e lutou acreditando em seu talento!

Primeiro post do ano e já é algo bastante emocionante, na semana passada me deparei com a postagem da Juliana Leandro sobre a jovem Amanda, uma moça maranhense que ela encontrou numa estação de metrô tentando vender seus desenhos e a quem ela decidiu ajudar.

Contudo a história é bem mais profunda, Amanda, também conhecida como Suzy revelou que fora enganada por uma mulher que a convidou pra São Paulo pra que sua arte, desenhos com super-heróis – fosse divulgada e pudesse trabalhar com sua arte, mas na verdade era pra que ela se prostituísse. Descobrindo isso a jovem fugiu pras ruas e tentou sobreviver.

E aí entra algo marcante, ela continuou tentando vender seus desenhos, mesmo depois de uma situação terrivelmente tensa, assustadora, ela lutou com o que tinha e acreditou no seu talento, sinceramente eu não consigo me imaginar tendo tamanha força. Pensando nisso eu avalio o quanto mesmo sendo trans eu ainda tenho privilégios em relação a outras amigas e irmãs, pois sim, Amanda não é a única e infelizmente, é uma das poucas que pode agora voltar ao lar.

Isso graças justamente a essa força e determinação, mas também a solidariedade da Juliana e de todes que divulgaram a postagem, de todes que torceram por ela. Confesso que até ter a noticia de que conseguiram encontrá-la e encaminhá-la pra secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) para que pudessem encaminhá-la de volta pra casa.

Eu gostaria de ter falado com ela, e se puder no futuro, gostaria de entrevistá-la sobre seus trabalhos e divulgar sua arte, no momento o que posso dizer é que ela é mais que uma sobrevivente, é uma heroína e uma inspiração de força. Eu sempre digo que podemos ser o que quisermos independente do quanto nos sabotem e a história de Amanda é uma prova real disso.

Agora meu desejo é o de que ela fique bem, consiga divulgar seus trabalhos e brilhe como ela merece, que a vida dela tenha tranquilidade e que graças a ela possamos abrir mais os olhos pra todas as amigas e irmãs que passam pelo que ela passou, não só as trans, mas as meninas cis também.

Não sou de acreditar que o mundo como um todo vá mudar, não acredito num futuro limpinho e perfeito, mas acredito, quando vejo situações assim, que podemos tornar esse mundo melhor. Não estou aqui noticiando, mas sim trazendo uma reflexão, pra que tenhamos a solidariedade e a atenção da Juliana e a força, esperança e vontade da Amanda.


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Cecihoney

Mulher trans, lésbica, bruxa que trabalha com pixelart pra games e vive com a cabeça em robôs, naves e engrenagens. Transfã, retrô/indie gamer e parte de uma fusão permanente! Dividida entre lacinhos rosas e armamentos pesados :3