Labirinto, 30 Anos de Magia do Tempo

Ah, os filmes infantis dos anos 80! Quando o protagonista sai da sua realidade para entrar em um mundo de magia e bonecos falantes. Em Labirinto, a protagonista entra em um mundo com lesmas falantes, um duende que odeia fadas, uma raposa que monta em um cachorro, uma criatura que conversa com pedras, um poço do fedor eterno e um vilão que passa seu tempo livre cantando músicas com duendes. Tudo muito anos 80.

Deixando as brincadeiras de lado, apesar de Labirinto não ter rendido na época, hoje o filme é encarado como um clássico e está em várias listas de filmes cult. O filme foi lançado no dia 27 de junho de 1986 e 30 anos depois ainda há algum tipo de magia na história que faz que o longa continue sendo amado.

Labirinto mostra a jornada de Sarah (Jennifer Connelly), uma adolescente que desejou que seu irmão fosse levado pelos duendes. Ela achou que nada ia acontecer, mas percebe que cometeu um erro quando vê Jareth (David Bowie), o rei dos duendes, aparecendo na sua frente. Sarah decide que quer o irmão de volta e é aí que a aventura começa: Ela tem 13 horas para chegar ao castelo no centro do Labirinto, caso contrário seu irmão vai virar um duende para sempre. O filme é dirigido por Jim Henson, roteirizado por Terry Jones e produzido por George Lucas e Eric Rattray.

Apesar de os efeitos terem evoluído muito nos últimos anos, é incrível ver como algumas coisas foram feitas. Hoggle, o duende que ajuda Sarah, precisava de um ator dentro da fantasia, alguém para fazer a voz e mais uma porção de profissionais para fazerem os movimentos de seu rosto. A cena em que Sarah cai no túnel de mãos exigiu que várias pessoas treinassem movimentos das mãos a fim de que formassem rostos para conversar com a protagonista.

Labirinto também tem detalhes muito interessantes. Prestando atenção, vemos que muitas das coisas que Sarah encontrará no Labirinto aparecem em seu quarto no começo do filme, inclusive uma foto de sua mãe com o marido, padrasto da menina: o homem  é a cara de Jareth. Isso tudo fez fãs criarem inúmera teorias sobre a aventura dela ter sido um sonho ou não, se Jareth usava os elementos na mente de Sarah para construir um mundo que a convencesse a ficar e desistir de sua jornada. É, apesar de só ter um filme, o fandom de Labirinto é bem empenhado nas discussões.

Mas o que fez o filme ser especial para tantas gerações foram os personagens e a história. Sarah é uma heroína que completa sua jornada de jeans e sapatos, ela não é uma donzela em perigo, cresce ao longo do filme e enfrenta todos os desafios. Ela não pode usar truques mágicos ou envenenar frutas para vencer, mas sua inteligência faz que ela alcance seu objetivo e salve seu irmão. Sem contar que o filme ainda carrega uma mensagem poderosa quando Sarah diz para Jareth: “você não tem poder sobre mim”, porque homem nenhum vai controlá-la.

Jareth foi a primeira paixão de muita gente. O vilão mimado com cara de rock star era poderoso e charmoso ao mesmo tempo. Ele podia soltar máquinas terríveis atrás de Sarah e manipular o tempo para fazê-la perder, mas com certeza seu poder mais assustador era o de conceder desejos. Ele ofereceu a Sarah o sonho de muitas adolescentes: ser uma princesa em um baile com um rei apaixonado. Sarah nega, afinal o filme fala sobre seu crescimento e empoderamento, e como já foi mencionado, ela não será controlada.

Os personagens secundários eram igualmente cativantes. Hoggle era um duende egoísta e medroso, mas durante a aventura ele descobriu como é ter amigos, confiar nos outros e também ser mais corajoso. Sir Didymus é um cavaleiro honrado e orgulhoso, mas ao longo do filme ele aprende que ser cabeça-dura o faz ficar sempre parado no mesmo lugar. Ludo representa aquela pessoa que julgamos mal antes de conhecer, que achamos que pode ser alguém ruim, mas na verdade é diferente por dentro.

Labirinto não fala só da jornada de uma heroína procurando seu irmão, o filme também fala sobre amadurecimento, sobre dificuldades da adolescência. O filme nos ensina que nem tudo é o que parece, que às vezes precisamos mudar nosso ponto de vista sobre algo para achar uma solução, que as aparências enganam e que as coisas não são justas, mas infelizmente elas são assim, então não adianta só ficar parado. Labirinto mostra para todos, mas principalmente para as garotas, que não importa o quanto o mundo em seu redor tente manipular você e mostrar o quão fraca você é, você pode usar suas próprias armas para alcançar seus objetivos.

O filme vai tratar de temas como responsabilidade, mostrar que precisamos tentar consertar nossos erros. Mas também vai mostrar que, mesmo que eventualmente todos tenham que crescer, isso não significa que você precisa largar a infância para trás. As memórias daquilo que nos marcou quando éramos crianças podem continuar conosco enquanto somos adultos. No final das contas, o filme se tornou exatamente uma das mensagens que queria passar: virou algo que marcou a infância de muitos e ajudou a formar adultos de hoje.

Caso você não tenha visto, ou queira ver de novo, Labirinto está disponível no Netflix!

 


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Clarice França

Connect to Database. Origem: Reino do Sonhar. Classe: Radialista, escritora e amante de histórias. Reputação: Campeã do Labirinto e de Kirkwall, Heroína de Ferelden, Herdeira de Andraste, Comandante Shepard, Paragade, Dovahkiin, Witcher, Dobradora de Fogo, Targaryen e Corvinal.