Erro em pesquisa da Ubisoft desconsidera gênero feminino

É muito legal quando uma empresa resolve ouvir a opinião de seus clientes por meio de pesquisas. Não é nada legal, entretanto, quando tal pesquisa possui apenas dois gêneros como opção de escolha (existem mais, ok pessoal?) e ainda é cancelada ao se escolher o gênero feminino. E foi exatamente isso que aconteceu nesta semana com uma pesquisa da Ubisoft.

Disponibilizada em inglês para o público, a pesquisa sobre um futuro título da desenvolvedora terminava em uma página de “Erro” ao se escolher a opção gênero feminino. A página, segundo o site BoingBoing, incluía os seguintes dizeres (vídeo abaixo): “Obrigada por responder essa pesquisa. Infelizmente, seu perfil não é adequado para essa pesquisa. Entretanto, agradecemos novamente por sua participação e seu tempo. Tenha um bom dia”.

Obviamente, a empresa foi rápida em “consertar” o erro e afirmar no Twitter que tudo não se passava de um problema na configuração da pesquisa, mas já era tarde. Além de mostrar desconsideração pela existência de outros gêneros e por mais da metade do público consumidor de games no mundo (mulheres são 52% do público gamer), a Ubisoft também deixou escancarado que ninguém testou a pesquisa antes de colocá-la online – ou, pelo menos, ninguém teve a ideia de testar as duas únicas opções de gênero (algo básico em testes). E ainda dizem que representatividade não importa…

Infelizmente, esta não é a primeira vez que a Ubisoft pisa na bola com as mulheres no mundo “gamístico”. Em 2014, a empresa sofreu grandes críticas (e com razão) quando um de seus desenvolvedores respondeu que não existiam mulheres jogáveis no novo Assassin’s Creed porque elas eram mais difíceis de serem desenvolvidas/animadas (é, isso mesmo que você leu). A afirmação foi tão absurda que foi contestada por desenvolvedores da própria Ubisoft e, em 2015, o Assassin’s Creed: Syndicate foi lançado com uma personagem mulher jogável. Desde então, a Ubisoft vem tentando melhorar a representativa feminina em seus títulos e marketing. Entretanto, não parece que esse esforço está passando para as outras áreas da empresa (ou empresas parceiras), não é?

Observação: É possível que a pesquisa da Ubisoft tenha sido “boicotada” por algum tipo de hacker ou funcionário. Entretanto, como a própria empresa não confirmou tal ação e afirmou que foi tudo um erro, consideramos que a situação foi realmente uma falha bem triste.


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Dani Rigon

Tradutora/redatora, viciada em livros, gamer e chefona da Impetus e-Sports. Gosta de gatos, sorvete e sotaque inglês. Se arrepende muito de ter vendido seu N64.