Câncer de mama não é apenas um laço rosa

Muitas mulheres com câncer de mama sofrem tanto com o peso do diagnóstico, quanto com a alteração da sua aparência. A percepção que a imagem corpórea é diferente da ideal prezada pela sociedade, gera um impacto deletério nas emoções, autoestima e qualidade de vida da paciente. Neste mês, inicia-se a campanha denominada Outubro Rosa que visa intensificar a conscientização do câncer de mama. O símbolo desta campanha é um laço rosa. Por mais que queiramos construir um mundo mais cor-de-rosa, precisamos entender melhor o que estas mulheres estão passando e saber de estratégias que podem melhorar a qualidade de vida destas pessoas.

Quantas mulheres são diagnosticadas com câncer de mama?

Mundialmente, é o câncer mais comum entre as mulheres e afeta a vida de 1,7 milhões de indivíduos. Aproximadamente meio milhão falecem devido a complicações desencadeadas pela doença. No Brasil, estima-se que mais de 50.000 novos casos serão diagnosticados no ano de 2016.

Diversidade de subtipos de tumores de mama e tratamentos

Atualmente, câncer de mama é considerado um grupo de doenças e não só uma única enfermidade. É uma doença de muitas caras e um modelo individual não serve para todas. Em 2012, cientistas publicaram na revista Nature, a existência de 10 tipos de cânceres de mama.

Porém na rotina médica, câncer de mama é classificado em diferentes subtipos de acordo com a presença ou ausência de marcadores moleculares. Estes marcadores são: receptores de o receptor HER-2 (human epidermal growth factor receptor 2), um dos membros da família de receptor do fator de crescimento epidérmico. Estes resultados são capazes de definir prognóstico e tratamento.

Tumores que expressam receptores hormonais como estrógeno e progesterona, geralmente estão associadas com prognóstico bom e pacientes que apresentam este tipo de tumor podem ser beneficiadas com o tratamento hormonal. A maioria das mulheres apresentam este tipo de tumor. Já tumores que expressam HER-2, que correspondem a 20-30%, são mais agressivos e pacientes possuem um prognóstico ruim.

O desenvolvimento do anticorpo anti-HER-2, promoveu um grande avanço terapêutico para o aumento da sobrevida de pacientes com este tipo tumor. Tumores que não apresentam nenhum tipo destes receptores, são classificados como triplo negativo e pacientes com este tipo de câncer de mama apresentam um prognóstico pior. Diferente dos outros tipos, não há nenhum tratamento direcionado que seja eficaz para tumores triplo negativos.

O impacto do diagnóstico

Ser diagnosticado com câncer traz uma diversidade de alterações no estado psicológico das mulheres. Os cinco estágios de sofrimento descritos pela psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross também podem ser aplicados em pacientes com câncer de mama. Inicia-se com a negação, depois o medo (fase que impera a ansiedade que está conectada com o diagnóstico e prognóstico), após a fase de medo, há a fase de negociação, onde a paciente considera outros tratamentos e métodos alternativos, e as duas últimas fases são depressão e a aceitação.

O efeito do tratamento sobre a autoestima

O tratamento e prognóstico vai depender do tipo de tumor e também do estágio de progressão da doença. Os procedimentos terapêuticos disponíveis são cirurgia, radioterapia, quimioterapia, tratamento hormonal e anticorpo monoclonal.

Em todos os casos, a cirurgia é realizada, sendo que a associação da mutilação e retirada da mama, frequentemente, desencadeia o sentimento de questionamento sobre a personalidade da mulher. Isto é decorrente da conexão da imagem da mama com beleza, fertilidade, feminilidade e sexualidade. Ter consciência de como a aparência física da mulher é importante na maioria das culturas, torna mais fácil entender porque as mulheres com câncer de mama expressam ansiedade, medo, fúria, desespero, depressão.

Mulheres que passam por remoção completa da mama (mastectomia) frequentemente apresentam dificuldades de se olharem no espelho e manter sua vida sexual. Mulheres que tiveram uma parte da mama retirada (cirurgia conservativa ou lumpectomia) têm mais chances de se ajustar a atividades sexual e ter uma visão mais positiva de sua imagem corpórea que mulheres que realizaram mastectomia.

A mudança da imagem corporal se associa a vergonha, sentimento de inferioridade, isolamento da sociedade e da família. A sensação estética de deterioração associada com a queda de cabelos, causada pelo tratamento com alguns quimioterápicos, pode intensificar o isolamento social. É importante salientar que nem todos quimioterápicos causam queda de cabelo, o aparecimento deste efeito indesejável também irá depender da dose e da sensibilidade da paciente aos efeitos do medicamento.

Fatores que influenciam a qualidade de vida das mulheres com câncer de mama

Geralmente, as mulheres que conseguem lidar bem com todas as mudanças decorrentes do efeito do diagnóstico e tratamento são aquelas que têm alta autoestima, mais estáveis emocionalmente, mais confidentes e mais otimistas. Dados mostram que mulheres com alta autoestima estavam em relações estáveis, retornaram ao trabalho e tiveram reconstrução mamária. Alguns resultados mostram que o tratamento de câncer de mama pode afetar com maior impacto mulheres jovens e alguns dados mostram que solteiras podem ter um fator de estresse adicional relacionado a ideia de rejeição pelos novos parceiros. Mas é claro, que isto vai depender de cada caso!

As células tumorais podem se espalhar primeiramente para linfonodos mais próximos. Para conter a progressão doença, realiza-se a remoção dos linfonodos nas pacientes que apresentam linfonodos positivos. A pode causar acúmulo de líquido e a radioterapia, queimaduras, ambos podem contribuir para a limitação de movimento. Estes fatores também podem contribuir com redução da autoestima, ainda mais se estes procedimentos forem realizados no lado dominante (para uma pessoa destra, o lado dominante é o lado direito). Tratamentos hormonais são importantes para diminuir a reincidência da doença, porém promovem uma variedade de similares a da menopausa como: ondas de calor, perda da libido, mudanças de humor e depressão.

Lidar com o aspecto não cor-de-rosa do câncer de mama

Demonstrar empatia, dar conforto e entender com o que estas mulheres estão lidando são importantes para oferecer apoio. A recuperação da autoestima pode ser obtida por diversos procedimentos: pela reconstrução da mama (toda mulher atendida pelo SUS tem direito a cirurgia de reconstrução) e aplicação de dicas especiais de beleza como maquiagem e roupas que podem deixar a mulher mais confortáveis e mais confiantes durante esta jornada. Além disso, exercícios físicos, terapia, meditação e yoga podem ajudar as mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Lembre-se você não está sozinha!

Há poucos websites em português que contêm informações detalhadas sobre câncer de mama. Dessa forma, devemos incentivar pesquisadores, profissionais da área de saúde e jornalistas a divulgarem notícias e novidades sobre câncer de mama e assim ajudar pacientes, famílias e amigos a lidarem com o diagnóstico e também se informarem sobre opções de tratamento.

Outro passo importante é investir em pesquisas de câncer de mama e para isso, campanhas que arrecadam dinheiro para projetos e o incentivo financeiro pelo governo são primordiais para o progresso da ciência. Por último, descontruir este hábito incansável que deixam as mulheres escravas do padrão de beleza ideal. É muito importante avaliar como as regras impostas pela sociedade podem influenciar a autoestima, qualidade de vida de pacientes com câncer de mama.

 

Links úteis

Quimioterapia e beleza

Câncer de mama

Instituto Nacional do Câncer

Oncoguia

 

Links em inglês

World Health Organization

Susan G. Komen

National Breast Cancer Foundantion

Breast Cancer Org

National Cancer Institute

Living Beyong Breast cancer

American Breast Cancer Foundantion

Metastatic Breast Cancer Network

American Cancer Society

Revisão de texto: Helen Miranda.

Figura de destaque: Servier Medical Art e DeepArt


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Isabelle Tancioni

Sou veterinária, cientista, hipster, Tiki, nerd, geek. Gosto de comics, música, cartoons, animais, plantas.