ERRATA – PAUL POPE

Venho por orientação da Editora Chefe do Minas Nerds, Gabriela Franco, esclarecer o texto sobre Paul Pope.

Desde o início dessa semana o tumblr citado no texto sobre Paul Pope tem sido replicado em tom de acusação e revolta contra suas atitudes em relação às mulheres (e continua sendo). Este mesmo tumblr, trazia não só depoimentos de supostas vítimas, como prints de outras situações envolvendo o nome do artista.

Exatamente por isso que em nenhum momento o Minas Nerds se colocou em uma posição de acusação ao artista, mas indicou que isso estaria ocorrendo e aonde (links estão indicados no texto).

O questionamento é: sabendo que de fato há assediadores em nosso meio, porque ainda somos obrigadas a conviver com eles? Bom, diante do que ficamos sabendo hoje, ficou claro o motivo.

O Minas Nerds existe porque outros lugares não têm se mostrado seguros para que as mulheres se expressem. Assediadores existem e nos causam problemas reais, que muitas vezes ameaçam nossa integridade física.

No entanto, justamente porque o Minas tem um compromisso com as mulheres do meio nerd, com o jornalismo e que vai muito além de angariar likes, é que pessoas próximas ao artista nos procuraram de forma extremamente gentil e educada, explicando que Pope tem sido vítima de um stalker.

Este stalker já assediou outros artistas e seu Tumblr era dedicado às obras de Pope até ter se desiludido com ele e passado a persegui-lo e difamá-lo.

Portanto, gostaríamos de tranquilizar as fãs quanto a Paul Pope porque tudo indica que a mesma pessoa tem se ocupado em criar falsos prints e situações que comprometam o quadrinista.

No mais, entendemos que este tipo de situação deslegitime ocorrências reais e dificulte mais ainda os assediadores sejam punidos. Ainda assim, muitos têm chegado a nosso conhecimento de forma recorrente, por isso, reafirmamos nosso compromisso em fazer do Minas um ambiente seguro para as mulheres.

Agradecemos aos leitores e às pessoas que nos procuraram para conversar, demonstrando sua preocupação com as colaboradoras e se posicionando a nosso favor ao afirmarem que este equívoco não desqualifica o trabalho sério que vem sido desenvolvido pelo grupo.

Pedimos desculpas pelo ocorrido que não voltará a acontecer

Supervisão de Gabriela Franco

MTB 42011/SP

************************

Texto publicado anteriormente

UPDATE: Ao que tudo indica, Pope é mais uma vítima de stalkers. Não é de hoje que isso acontece, mas aparentemente, o “fã” que escreveu o depoimento e fez as acusações é velho conhecido de outros quadrinistas. Pope teria sido orientado pelos advogados a ignorar esse fã que chegou a assediar artistas brasileiros também. Amigos pessoais de Paul nos confirmaram que sua esposa costumava estar presente nos eventos e que ele está animado com a vinda ao Brasil. Infelizmente, este não seria o primeiro e nem o único stalker dele e estamos cientes do alcance que este tipo de problema pode ter, por isso agradecemos a quem nos procurou para esclarecer o ocorrido. Estes casos estão sob avaliação jurídica do artista. Tão logo tenhamos mais notícias, postaremos no site.

Imagine que você vai a um evento de quadrinhos, certa de que irá finalmente conseguir um autógrafo e quem sabe uma foto com aquele artista que curte tanto, você separa a HQ que gosta mais, porque sabe que não poderá abusar do tempo dele, fica horas na fila e quando chega a sua vez, ele nem olha para a HQ que você levou. Ele regula o seu corpo e simula gestos obscenos que lembram o sexo oral. “Ah, é apenas uma brincadeira”, alguns irão dizer. Mesmo assim, será que deveríamos relevar? Qual atitude deveria ser tomada em uma situação como essa?

“Meu amigo e a namorada, que levou também a irmã, estavam super animados para conhecê-lo em sua sessão de autógrafos, mas você escolheu assediar a irmã da menina sugerindo que ela o chupasse. Você tinha a intenção de transar com ela e tentou insistentemente convencê-la a ir ao seu quarto. Quando não conseguiu, foi atrás da namorada do meu amigo. Ela e a irmã o ajudaram a ir para o seu quarto porque estava caindo de bêbado. Na porta, você a forçou a beijá-lo e quando ela o empurrou, você bateu a porta na cara dela. A menina ficou atordoada com o que havia acontecido. Meu amigo o confrontou posteriormente e você o ignorou. Este foi um caso de assédio seguido de violência contra uma vítima que recusou suas investidas. Você estava tirando vantagem de fãs para exercer sua misoginia. ” (Trecho de uma carta aberta publicada por um “fã” no dia 06/10/16 sobre um caso ocorrido em 2014 – http://destroycomics.tumblr.com/)

Pois é, o acusado da vez é ninguém menos que Paul Pope. Artista consagrado e premiado com 4 Eisner Awards, Pope é conhecido pela genialidade de seus trabalhos como Batling Boy e pelo cultuado Batman: Ano 100. O fã que escreveu a carta aberta a Pope expõe uma série de outras situações por meio de prints e citações que vão desde mandar lésbicas tomarem banho a ofensas sexistas dirigidas a cosplayers.

Ou seja, quando um homem é acusado de assédio, somos inclinados a pensar que talvez a mulher esteja exagerando, afinal, produzir provas em casos como este nem sempre é algo fácil. Mas quando várias pessoas expõem um sujeito de forma recorrente ao longo dos anos, é necessária uma reflexão sobre porque ele continua sendo convidado para eventos e trabalhos quando sabidamente é uma ameaça às pessoas com quem convive.

Não é de hoje que a DC protege assediadores, preferindo separar um agressor de suas vítimas em potencial em uma sala exclusiva e dispensando mulheres que se posicionam contra esta política. Sabemos porque isso ocorre, certo? Entendemos que a sociedade é machista e que desconstruir séculos de uma mentalidade que enxerga as mulheres como seres inferiores é algo que leva muito tempo. Por isso continuaremos falando a respeito até que alguém entenda que não se trata de relevar ou não uma agressão. É uma questão de humanidade, de respeito com quem representa uma grande parte do mercado profissional e consumidor.

De forma alguma queremos instaurar uma “caça às bruxas” como muitos blogs sensacionalistas fazem, pois, este tipo de visibilidade é efêmera e certamente compromete a credibilidade de alguns veículos. Gostaríamos sim que nossos apelos fossem atendidos, do contrário, em vez de ambientes que reflitam a pluralidade das produções que temos nos quadrinhos, seremos forçadas a continuar em eventos e grupos exclusivos para que possamos nos sentir seguras. Quem sabe o que é viver com medo, entende o real significado da palavra “gatilho” quando a lê diante de um texto.

Homens também se manifestaram em repúdio à atitude de Pope
Homens também se manifestaram em repúdio à atitude de Pope

Sites pesquisados:
http://destroycomics.tumblr.com/
http://www.newsarama.com/18704-paul-pope-clears-the-air-on-controversial-dc-comics-quote-teases-future-projects.html
http://www.polygon.com/comics/2016/5/16/11683136/dc-comics-eddie-berganza-sexual-harassment


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Dani Marino

Dani Marino é pesquisadora de Quadrinhos, integrante do Observatório de Quadrinhos da ECA/USP e da Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial – ASPAS. Formada em Letras, com habilitação Português/Inglês, atualmente cursa o Mestrado em Comunicação na Escola de Artes e Comunicação da USP. Também colabora com outros sites de cultura pop e quadrinhos como o Iluminerds, Quadro-a-Quadro, entre outros.