Animais Fantásticos e Onde Habitam – Ainda espero minha carta de Hogwarts!

Eu faço parte do grupo de fãs que aguardaram, sem nenhuma expectativa, o novo filme do universo da Tia Jô (JK Rowling para os não-maj), Animais Fantásticos e Onde Habitam (Fantastic Beasts and Were to Find Them, EUA/ING, 2016)..

Mala mequetrefe deixando os bichos soltos na America!

E para a felicidade de (quase) todos o filme está bem ok. Antes de explicar porque eu achei o filme muito bom mas não gostei, quero deixar claro que eu sou fã da série. Bem fã. Eu queria ter gostado, gentchi. Eu não sou um hater!

Estados Unidos, 1926

Quando fiquei sabendo que o filme seria ambientado nos anos 20/30 nos Estados Unidos eu achei incrível, afinal a Rowling iria mostrar outra cara do mundo bruxo, uma que a gente espera desde que ela trouxe a Beauxbatons e Durmstrang pra rodinha. Acredito que, quem conheçe um pouco mais sobre a história americana conseguiu pegar coisas como segregação, lei seca, comentários sobre a guerra (pós-primeira guerra), até caça as bruxas com posters citando Salem.

Ao invés do Ministério da Magia, temos a MACUSA – Magical Congress of The United States of America. Também temos uma presidenta negra (Carmen Ejogo, a única negra do filme até agora), e aurores, que aparentemente fazem o mesmo que os aurores ingleses, mas não são nem metade as cool (Tonks manda um beijo). Os trouxas, muggles, na Inglaterra, aqui são não-majs (no-maj em inglês). E, por fim, tem o Joãozinho-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado (blerg) e o Ezra Miller (que ator, gente <3).

Presidenta da MACUSA – Seraphina Picquery

Porém, apesar disso tudo, eu não sei precisar se foi um problema de edição ou de roteiro, mas alguma coisa estava confusa em relação ao tom do filme. Ele é leve e de repente super pesado e depois leve de novo.

Turminha do barulho

Meus personagens favoritos foram o Jacob Kowalski (Dan Fogler), não-maj – um alivio cômico fraco mas carismático o bastante para aquecer o coração (e peloamordadeusa gente, ainda usando “piada” de gordo que entala?melhorem! E Queenie (Alison Sudol), minha surpresa. Já a atuação de Eddie Redmayne como Newt Scamander está bem forçada – não é uma critica ao ator mas sim à forma com que foi dirigido, como se tivessem obrigado ele a ficar com mais estigma de inglês esquisito do que o necessário. Além dele, a personagem Tina (Katherine Waterston) não tem carisma nenhum o dificultou bastante o apego ao personagem. 

Animais Fantásticos e Onde Habitam
Kowalski

Hogwarts >>>> Ilvermorny

Animais Fantásticos e Onde Habitam é um filme de ação e fantasia muito bom. Tem um enredo bom, o ritmo é meio estranho, mas é extremamente bem feito, com certeza o melhor (em termos visuais) de toda a série Harry Potter.

A franquia tem potencial para se tornar algo realmente ~fantástico~ se tiver coragem de se aprofundar mais em um desses temas mostrados tão rapidamente. Caso contrário, corre o risco de se tornar só um spin-off meia boca de Harry Potter.

No fim mesmo com todo cuidado para não criar expectativas, bem lá no fundo, sobrou alguma coisa. Essa coisinha que sobrou estava esperando uma história tão mágica quanto a do Harry, mas o filme não é nada disso. Ele é uma obra que se passa no mesmo universo e essa é sua única semelhança.


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Nath Vilya

Feminazgûl, 29 anos, satanáries, se recusa a ser invisível.