RuPaul’s Drag Race e Cosplay

Por Natasha Ferreira*

Se você leu o título desta matéria e está se perguntando o que é RuPaul’s Drag Race e o que isso tem a ver com cosplay, nós explicamos. O programa de TV é um dos melhores da atualidade, e se você é cosplayer definitivamente não pode deixar de dar uma conferida.

Explicando rapidamente, RuPaul’s Drag Race é um reality show onde drag queens competem em diversas provas de habilidades de interpretação, performance e moda. Além disso, elas ainda lidam com a própria maquiagem e a as próprias perucas e figurinos. Parece familiar? Sim, parece cosplay!

O reality show é parte da grade de programação da Logo TV e já teve oito temporadas regulares e duas temporadas especiais (chamadas de All Stars, com as participantes que mais se destacaram em temporadas anteriores). A host do programa, RuPaul, é a drag queen mais famosa da atualidade, conhecida internacionalmente e já atuou como ator, cantor, diretor, modelo e autor – vale destacar que RuPaul, em suas próprias palavras, não se importa com o gênero pelo qual é chamado: “Você pode me chamar de ele. Você pode me chamar de ela. Você pode me chamar de Regis e Kathie Lee. Eu não ligo! Desde que você me chame.” Poderosa a Mama Ru, não? <3

Apresentações feitas, vamos ao que nos interessa: por que todo cosplayer deveria assistir RuPauls Drag Race?

rupaul

Caracterização

A primeira característica que temos em comum entre as duas atividades é com certeza a caracterização. Embora as drag queens, diferentemente da maioria dos cosplayers, não precisem necessariamente seguir uma referência pré-existente, muitas das participantes do reality que se definem como nerds e têm um estilo próprio que lembra muito o cosplay, como PhiPhi O’hara, Pandora Boxx e Dax ExclamationPoint.

caracterizacaoPandora Boxx, Bianca Del Rio, Phi Phi O’hara e Dax ExclamationPoint

Maquiagem

Uma das coisas mais interessantes do show é perceber a diferença entre as drags montadas e desmontadas. Logo no primeiro episódio, após passar pelo primeiro desafio, elas logo se desmontam e você pode ver o quão diferentes, em sua maioria, elas são de suas drag-personas. Na maioria dos episódio também as vemos conversar enquanto fazem as makes – e dá pra pegar algumas dicas bem legais hein? Ali temos exemplos de todos os tipos de maquiagem, desde as que fazem visuais mais chamativos quanto as mais “naturais”.

maquiagemWillam e Trixie Mattel: dois estilos bem diferentes de maquiagem

Perucas

Que cosplayer nunca apanhou daquela peruca que mais parece uma alegoria de escola de samba? É o que as participantes mais fazem: perucas na passarela que parecem verdadeiras obras de arte!

perucaRaja desafiando as leis da gravidade

Performances

A cada novo episódio as duas participantes que têm o pior desempenho nos desafios competem em uma lipsync, uma dublagem performática de tirar o fôlego. Assim como os cosplayers, elas também se preparam, decorando a letra da música e estudando os movimentos que ficarão melhor em cada parte e algumas desenvolvem até uma coreografia. Além disso, todas as temporadas têm um ou mais desafios de interpretação onde a habilidade cênica de cada participante é colocada em prova.

Um dos lipsyncs mais aclamados da temporada All Stars 2

Diversidade

Assim como no cosplay, o show mostra que drag é para todas: temos brancas, negras, asiáticas, latinas, magras, gordas, as superfemininas, as tradicionais, as “esquisitas”, as de estilo próprio, as “impersonators” (um tipo de sósia ou que se caracteriza como determinada artista)… O que é igual entre todas elas é o talento excepcional e autoestima linda de se ver!

variedadeLatrice Royale, Detox, Derrick Barry e Alaska

Preconceito e União

Se você ainda não ouviu daquela sua tia que “como você ainda anda fantasiado por aí nessa idade?” ou daquele vizinho “o rapaz aqui de cima é estranho, usa umas fantasias…”, acredite: você é uma pessoa privilegiada. Drag queens em sua esmagadora maioria passam por situações ainda piores e, por isso, costumam formar uma comunidade bem unida – o que não impede que, de vez em quando, como em qualquer outro grupo, role um barraco aqui e outro ali. No programa isso não é diferente, mas raramente elas terminam a temporada com mágoa das companheiras. Entre as explosões e brigas, as coisas se resolvem e continua o sentimento de que unidas elas são melhores. (Aí está um ótimo exemplo a ser seguido pela comunidade cosplayer!

tretaCoco e Alyssa: duas das maiores rivais do reality, hoje amigas.

E o que é que importa mesmo no final? A diversão. Por mais que drag seja para elas uma profissão e que muitos cosplayers levem o hobby super a sério, os dois podem e devem ser divertidos.

Portanto, divirtam-se e sejam divas! <3

divaBitch, please!

Natasha Ferreira*
Leitora compulsiva, cosplayer por hobby, cantora de chuveiro e jornalista por profissão.


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.