Onde Nascem os Gênios é uma viagem divertida pela história da criatividade

Capa do livro Onde Nascem os GêniosPor que em determinadas épocas e lugares, como a Florença renascentista, surgem tantas pessoas criativas, ao ponto de receberem o título de “gênios”? É para responder a essa pergunta que o jornalista  Eric Weiner viaja pelo mundo em Onde Nascem os Gênios, primeiro livro do novo selo Crânio da DarkSide Books, que será dedicado a não ficção e temas científicos, históricos e filosóficos. Em edição com capa dura com tradução competente de Dalton Caldas, o livro é uma estreia digna para o novo selo, uma das melhores surpresas em leitura que tive nos últimos meses.

Weiner parte da premissa de que a genialidade não é um fenômeno individual e sim uma manifestação decorrente de certas condições sociais, em que o contexto desempenha um papel crucial no encorajamento e desenvolvimento de pessoas criativas. Esse ponto de partida já torna o livro muito mais interessante do que a autoajuda genérica focada em jargões meritocráticos que empesteia as prateleiras quando o tema é genialidade. O autor foge do clichê fácil e procura entre suas fontes historiadores, psicólogos e especialistas de lugares tão diversos como Calcutá e Edimburgo, tentando reconstruir a trajetória dos grandes nomes que viveram nos locais que visitou.

Apesar do tema denso, o livro é muito gostoso de ler, já que o autor sabe conduzir o fluxo de informações de forma leve, com o relato em primeira pessoa de suas viagens. E mais importante, ele não tenta convencer o leitor de que o livro traz dicas para se transformar em um gênio. O objetivo não é esse, mas fazer uma reflexão sobre as questões sociais e educacionais que sufocam a criatividade e a inovação atualmente.

Um dos problemas mais discutidos no livro é a falência do nosso sistema educacional autoritário, conservador e coercitivo. A organização da escola tradicional não favorece a inovação e a busca pessoal pela solução de problemas, muitas vezes concentrando-se na repetição de modelos e fórmulas já consagradas como corretas. Weiner também descobre que um ponto em comum entre alguns gênios é o fato deles terem sido inovadores justamente fora de suas áreas de atuação originais, o que mostra que o olhar não especializado pode ser benéfico para trazer novas perspectivas, e que a ultraespecialização também é um problema no modelo de formação escolar que temos atualmente.

Outro mérito da pesquisa é o destaque para gênios de fora do eixo Europa-América do Norte, apresentando a história das cidades de Hangzhou, na China, e Calcutá, na Índia. Embora não se aprofunde muito em detalhes, Weiner é um bom guia turístico e instiga curiosidade para visitar os locais em que ambienta sua investigação. Os especialistas entrevistados também trazem perspectivas muito interessantes e diversas sobre o tema da genialidade como fenômeno social, sem caírem no jargão da autoajuda nem nos estereótipos de nacionalidade e etnia.

Weiner também menciona a desigualdade de gênero como um problema para o desenvolvimento das mulheres pesquisadoras e inovadoras, já que estamos submetidas a questões sociais e políticas que não afetam os homens, e com isso ajuda a desmistificar a ideia de que mulheres são menos propensas à ciência e à pesquisa. Mesmo assim, é triste ver a quase ausência de mulheres abordadas no livro.

Vale muito a pena ler Onde Nascem os Gênios. Se você teme um texto raso e cheio de autoajuda, pode ficar tranquila. É uma leitura deliciosa e informativa que traz muitas reflexões, um respiro na forma superficial e sensacionalista com que o tema da genialidade vem sendo abordado ultimamente. E mesmo sem se propor a isso, o livro acaba dando algumas sugestões sobre como melhorar seu desempenho na hora de criar.

Dados técnicos

Título: Onde Nascem os Gênios
Linha: CRÂNIO
Autor: Eric Weiner
Tradutor: Dalton Caldas
Editora: DarkSide Books
Páginas: 352

Este livro foi cedido pela editora para resenha.
Conheça a DarkSide Books: Facebook – Twitter – Instagram – Site oficial


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Beatriz Blanco

Designer, professora, gamer e pesquisadora. Fã da franquia The Legend of Zelda, histórias de terror, aliens e kaijus. Acorda e dorme online.