10 argumentos para entender que blackface em cosplay É RACISMO, SIM

 

Todo ano algo acontece no universo cosplay, e esse acontecimento faz com que lados se polarizem e que preconceitos aflorem entre cosplayers ao redor do mundo. O que acontece é o retorno da discussão sobre blackface em cosplays. Vez ou outra cosplayers brancos ou não negros pintam suas peles para representar seus personagens favoritos, utilizando o pretexto de “homenagem” a tais personagens, com alguns erros gravíssimos.

Um exemplo é a personagem Garnet, de Steven Universe, uma alienígena cor de rosa, porém que foi criada para ser coded black, termo norte americano que designa personagens que devem ser percebidos ou que apresentam características afro-americanas ou afro-latinas. Falo do caso de uma cosplayer branca e europeia que se pintou de marrom e utilizou uma peruca black para representar a personagem, sendo que essa mesma personagem, como já mencionei, tem um tom cor de rosa  de pele que nem sequer se assemelha ao marrom escuro e terra utilizado pela cosplayer.

Para o contexto, sou uma cosplayer negra há 13 anos, morei em dois países diferentes e pude perceber que apenas um fato não muda em ambos: cosplayers negros são humilhados e satirizados, enquanto cosplayers brancos que se pintam de “negros” sempre são exaltados.


Não me leve a mal, não falo de internet aqui, falo de convenções geek e de anime que frequentei durante 13 anos, e durante esse tempo, como cosplayer negra, sofri muitas críticas por ser “muito escura para personagem x”, ou por “ter uma boca muito grande para ser personagem y” ou até mesmo “Por que não passa um pancake cor de pele (branco)?”. Todos esses comentários disfarçados de “dicas” são apenas um exemplo do que é o racismo velado.

Lembrar que nem todos os cosplayers negros sofreram preconceito no meio, principalmente hoje quando absolutamente ninguém está isento a críticas na Internet, não quer dizer que outros não tenham sofrido ou sofram com isso. Criticar cosplayers brancos por conta do blackface é algo muito recente e ainda assim, muitos outros cosplayers se prontificam a proteger o blackface ao invés de lutar pelo direito de cosplayers negros se vestirem como desejarem. Durante discussões sobre blackface no meio cosplay, surgem pessoas que defendem argumentos como “Ah, o personagem é verde, quer dizer que estou sendo racista com pessoas verdes?” E é aí que está o grande problema. Esse racismo velado, disfarçado de opinião é extremamente desumanizador. Comparar a pele negra que existe no mundo real, a cores fictícias, nada mas é do que um modo de desumanizar pessoas negras reais, de carne e osso, que respiram e que existem, ao contrário de alienígenas verdes.

Quando falamos de cosplay, muitos também questionam, dizendo que o blackface apenas pode ser considerado como tal se for feito com intenções de ofender. Isso é uma falácia e é um erro muito comum no Brasil, pois há um claro desconhecimento do termo blackface, que nos Estados Unidos é utilizado para todo e qualquer ato de pintar-se como negro, seja para uma homenagem, seja para ofender, de qualquer forma, ambos são prejudiciais. A tinta utilizada apenas para “diversão” rapidamente será lavada após a convenção, já a pele negra real, não irá sair, ela vai ficar lá para sempre e nada vai poder mudar isso.

Outro argumento muito utilizado, é aquele velho “Mas eu já vi cosplayers negros se pintarem de brancos para cosplay!” Os poucos que você provavelmente viu (que são EXCEÇÕES no meio cosplay) pintam suas peles por conta da assimilação. Mas o que é assimilação?

A assimilação ocorre por exemplo quando nós mulheres negras, principalmente, ainda somos obrigadas a alisar nossos cabelos (para entrevistas de empregos em cargos “melhores”, porque todas as características negras (boca grande, cabelo crespo, nariz mais largo, pele escura) são consideradas feias perante a sociedade média (branca, de cabelos lisos, com narizes mais proporcionais, ao estilo europeu). Portanto, o que você viu são na verdade pessoas que sentem que precisam se modificar fisicamente para ser aceitas no meio cosplay.

Portanto se você é uma pessoa branca ou não negra, leia os próximos tópicos com muita atenção para entender o quão grave é confundir racismo velado como opinião.

1. Falar sobre racismo incomoda, mas VIVER com ele todos os dias é pior.

2. O argumento “eu não vejo cor” não ajuda a diminuir o racismo sistemático. Tente ser a única pessoa branca em um ambiente e veja o que acontece. Você vai perceber que a COR realmente existe.

3. O sucesso da Oprah, 50 cent ou outros negros bem-sucedidos NUNCA serão argumentos válidos para o racismo. Eles são a rara exceção e não a regra.

4. Racismo inverso não existe. Até que pessoas negras escravizem CENTENAS de populações brancas em nome da superioridade da raça, criem um padrão de beleza OBRIGATÓRIO para toda essa população, não deem empregos pra pessoas simplesmente por elas serem brancas, para finalmente fingir que esse sistema não existe. Isso é o racismo do mundo atual, agora esse tal racismo dos oprimidos nunca vai existir.

5. O mundo não superou o racismo, a história ainda é ensinada de modo errado na escola, existem negros que não conseguem empregos por ser negros, ainda existem negros e crianças negras sendo assassinados nos EUA por caua do tom da pele. Nada mudou completamente.

6. O Google é seu amigo. Procure black/white wealth gap e white flight.

7. Existem pessoas brancas pobres SIM, mas o racismo e a discriminação racial apenas existem para pessoas negras e pobres. Isso se chama FALSA SIMETRIA. Pessoas brancas e pobres adoram aparecer em posts sobre racismo falando ” eu sou branco e pobre e também sofro discriminação”. Isso não existe. Sua vida pode ser difícil, mas isso não muda o fato de que são os negros que vão sofrer racismo e não você.

8. Sobre blackface: pele azul, roxa ou verde não existem no mundo real. Se você compara a pele negra REAL com cores fantasiosas, você só está reforçando o fato de achar que pessoas negras NÃO SÃO HUMANAS. (assim como na era vitoriana, tinha-se que pessoas negras poderiam ser mortas ou torturadas porque não tinham alma). O que você estão fazendo é desumanizar negros.

9. Blackface e cosplay: Se pintar continua sendo racismo, não é homenagem nem NUNCA vai ser. Você cosplayer branco pode se dar ao luxo de pintar a pele, ser elogiado por páginas profissionais de cosplay, chegar em casa e simplesmente LIMPAR a tinta. Nós cosplayers negros não temos essa escolha, nascemos assim e ao invés de sermos elogiados como você, vamos ser postados em fórums anônimos para virar chacota (isso continua a acontecer TODOS os dias e posso garantir que sim, como cosplayer há mais de 13 anos, já apareci em vários.)

10. Se pintar em cores fantasias, como roxo, verde, azul, amarelo ouro, rosa e tons variados dessas cores é 100% ok.

Se após essa lista, você ainda questionar os fatos e pensar “mas que galera chata, cosplay é só diversão, todos deveriam fazer o cosplay que quiserem”, estou aqui para dizer que, sobre uma coisa você está certo: Todos deveriam fazer o cosplay que desejarem, porém se pintar para isso NÃO É legal, não é ser fiel ao personagem, não é uma homenagem.

Para finalizar, conheça o “Cosplaying While Black”, um banco de dados oficial com fotos de praticamente todos os cosplayers negros ATUAIS do mundo inteiro (inclusive brasileiros). Você vai notar que nenhum dos cosplayers postados pintou a pele (a não ser em cores fantasia, cor de rosa, verde, cinza e roxo.)
www.cosplayingfwhileblack.tumblr.com

Por Colaboradora MinasNerds


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.