10 desenhos para ver com crianças pequenas

Eu gosto de ver desenhos e esse foi um hábito que adquiri na infância. Faz algum tempo que a TV é a companheira de crianças e temos que ficar atentos em não deixá-las tempo demais em frente às telas, já que agora temos também  tablet e smartphones que já  estão causado síndromes contemporâneas. Mas desenhos animados também são obras de arte, como livros infantis, e são elemento do nosso imaginário contemporâneo, por isso selecionamos aqui alguns desenhos para ver com crianças pequenas.

Para fazer esta lista de desenhos, eu acabei usando como princípio uma coisa meio anti-nerd: animações que não tenham licenciados no Brasil, ou que pelo menos não se ache a cada esquina.  Sei que parece meio radical (e é mesmo), mas o efeito dos licenciados na imaginação dos pequenos é algo bem complicado. E não só na vida dos pequenos, mas também de adultos que têm que lidar com crianças pedindo para comer produtos industrializados que não têm outro atrativo além do personagem que amam, fora toda gama de trocinhos inúteis e caros. Grupos como Movimento Infância livre de Consumismo têm discutido o assunto e conseguido avançar na legislação para proteção da infância dos efeitos da publicidade, que é proibida no país quando direcionada a crianças.

Selecionei aqui alguns desenhos que passaram de geração em geração e alguns contemporâneos. Todos podem ser encontrados online.

Mio Mao

Os gatinhos Mio e Mao são os protagonistas dessas aventuras narradas em uma animação stop motion com massinha, numa produção ítalo-britânica dirigida por Francesco Misseri e produzida nos anos 1970. Em cada curto episódio, os gatinhos encontram uma nova espécie animal que se apresenta para eles numa história sem diálogos pontuada por sons e a trilha sonora marcante desse desenho clássico. É fácil encontrar episódios no youtube e muitos deles estão no perfil oficial do Misseri Studio, que também produz QUAQQUAO, uma animação com origami, Pozzie, animação com água, A.E.I.O.U., animação com areia, e Vemelho e Azul, outra animação com massinha.

Pingu

Mais uma animação de massinha e queridinha de várias gerações desde o início de sua exibição, em meados dos anos 1990. Produzido na Suíça e criado por Otmar Gutmann, o desenho narra as peripécias de Pingu, um pinguim criança que vive com sua família: pai, mãe e irmã. Cheio de energia e imaginação, como qualquer criança, em cada episódio vemos uma aventura com seus amigos e família. Também não possui diálogos e seus episódios são curtos, com cerca de cinco minutos. Possui canal oficial no youtube, mas tem muita coisa disponível em outras contas também, basta procurar.

Esta é uma animação do século passado, então alguns episódios podem incomodar pais adeptos da comunicação não-violenta e outros conceitos que estão sendo aplicados mais frequentemente na atualidade. Em um deles Pingu apanha depois de fazer uma birra, por exemplo. Por isso é bom que os pais sempre assistam antes o conteúdo a que vão expor seus filhos, pois são pessoinhas sem filtros e vão entender como algo validado pelos cuidadores, se não houver conversa sobre. Isso serve para qualquer coisa, livro, desenho, filme, música, etc.

Sarah e o Pato

Já falei sobre Sarah e o Pato aqui antes. Essa é uma animação britânica e uma criação de Sarah Gomes Harris e Tim O’Sullivan para o canal Cbeebies. Sarah é uma menina de sete anos e tem um pato como animal de estimação e amigo. Na animação, que tem um ritmo lento e uma trilha sonora suave, com um jazz antigo, vemos as aventuras cotidianas dessa menina e seus amigos, num mundo em que os adultos aparecem apenas como auxiliares e coadjuvantes, sem envolvimento direto na trama. São crianças e animais de estimação, mas também um guarda-chuva, o arco-íris, a lua. A animação já foi ao ar pela TV Brasil e as duas primeiras temporadas estão disponíveis na Netflix .

Pat & Mat

Uma animação em stop motion, desta vez com bonecos, criada em meados dos anos 1970 por Lubomír Beneš e Vladimír Jiránek, na República Tcheca. No Brasil, foi veiculada na TV Cultura com o nome Zeca & Joca. Pat & Mat, em cada episódio, tentam resolver algum problema doméstico, como uma goteira, uma lâmpada queimada, ou qualquer outra coisa, criando máquinas ou estruturas mirabolantes, no melhor estilo “faça você mesmo”, sempre de maneira bem atrapalhada, mas que gera um bom resultado. Como é uma animação bem antiga, também vale a dica aqui de “veja antes”, porque alguns episódios podem tratar de assuntos sensíveis para algumas famílias. Em um episódio, por exemplo, Pat & Mat constroem uma máquina para fazer vinho e grapa, que bebem no final e terminam bem bêbados. O canal Tcheco Bonton disponibilizou muitos episódios no seu perfil no Youtube, dá para assistir sem problemas, pois é mais um desenho sem diálogos.

Puffin Rock

Animação original da Netflix produzida na Irlanda. A Pedra do Papagaio do Mar, ou Puffin Rock, em seu nome original, é um paraíso natural em que vivem várias espécies exóticas e é o cenário para as histórias de Oona e sua família. Oona é uma pequena papagaio do mar curiosa, que gosta de brincar com seu irmãozinho Baba e seus amigos de outras espécies. Entre eles estão uma foca, uma coelhinha, um caranguejo hermitão, uma família de corujas, um musaranho e até uma raposa. Já falei um pouco mais sobre esta animação por aqui. São duas temporadas online, deste desenho que traz curiosidades sobre animais e fenômenos da natureza, num ritmo tranquilo, com uma linda e suave trilha sonora.

Plonsters

São os clássicos bonecos de massinha, que se transformam em várias objetos, frutas, meios de transporte e por aí vai. Plonsters, ou Plastinots são três monstrinhos, o laranja, o azul e o verde, numa animação stop motion também sem diálogos produzida na Alemanha no final dos anos 1970 até os anos 1990. O enredo simula os conflitos das brincadeiras infantis, em que um fica sozinho e outras crianças tentam interferir na brincadeira, que acaba com os três em cooperação, mas é bom também ficar atento, pois alguns episódios exageram nas situações de bullying. Lembre-se do mantra: é preciso ver tudo antes de as crianças assistirem. O canal Plonsters do Youtube tem playlists separadas por data de produção

Pergunte aos StoryBots

Esta é uma animação educativa da Netflix, que lembra um pouco as investigações do Show da Luna. Os StoryBots trabalham numa empresa responsável por esclarecer dúvidas das crianças e uma equipe sai em busca das respostas seguindo o raciocínio que crianças teriam. Tem muitos trocadilhos com sons e significados das palavras no original em inglês e isso dificulta um pouco uma tradução mais simples para o português, mas isso não diminui a qualidade da animação. Os episódios têm um tema central, como descobrir por que o céu é azul ou para que serve escovar os dentes. Também há várias esquetes inseridas no meio, como as dos vegetais músicos (veggie boogies), e músicas com animais, sobre cores, sobre o corpo humano. Essa produção feita nos Estados Unidos tem um destaque para mães e pais nerds que são as participações especiais: Whoopi Goldberg, Jay Leno, Weird Al Yankovic, Kevin Smith, Chris Parnell e mais. Alguns clipes estão disponíveis no canal StoryBots do Youtube e há duas temporadas online na Netflix

Timmy Time

Timmy é um pequeno carneiro que passa o dia na creche com seus amigos: um cachorro, um gato, uma cabra, uma coruja, um pato, uma lagarta e um porco. Essa animação stop motion, também sem diálogos, é uma produção britânica do canal infantil Cbeebies e foi veiculada no Brasil pela TV Cultura. É um spin-off da série Shaun, o Carneiro. São situações comuns em brincadeiras de crianças, como aprender a andar de patinete, fazer colagem se atrapalhando e sujando tudo de cola. Uma animação divertida que tem duas temporadas disponíveis na Netflix e canal no Youtube.

Festa de Palavras

Mais uma animação educativa da Netflix. São quatro bebês animais que pedem ajuda em cada episódio para aprender uma palavra nova, que pode ser o nome de uma fruta, de uma parte do corpo, de um sentimento. Para isso eles têm o auxílio de uns aparatos tecnológicos, como um quadro e um carrinho que carrega objetos necessários na cena. A série estreou em 2016 e já possui duas temporadas online.

Beat Bugs

São insetos que vivem numa comunidade em um jardim de uma casa de subúrbio americano. O nome da animação é um trocadilho, pois cada episódio tem como título o nome de uma música dos Beatles, que serve como plot para o roteiro e é cantada no meio da história. É uma animação digital e sempre traz histórias sobre a vida em comunidade e a parceria entre amigos. Além disso, tem participações musicais ótimas, como Pink, em Lucy In The Sky With Diamonds, Eddie Vedder, em Magical Mystery Tour, Sia, em Blackbird, Rod Stewart, em Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, entre outros. É mais uma animação original da Netflix e possui duas temporadas online


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Roberta AR

Gosto de escrever (o que acabou virando trabalho) e de café. Participo da cena de quadrinhos independentes desde 2007, atuando principalmente na divulgação e na produção. Também sou zineira e escritora.