Os 10 mangás clássicos que toda MinaNerd precisa conhecer

O que transforma uma obra em clássico? A popularidade? A influência? A permanência das questões levantadas? Não existe um consenso sobre esses critérios, mas algumas obras com certeza têm a alcunha de clássico por merecer. Nesta lista, reunimos 10 mangás que se tornaram clássicos por alguma razão e que toda MinaNerd deve conhecer. De temas mais infantis a relatos autobiográficos da segunda guerra mundial, esperamos que você encontre algum clássico para chamar de seu.

Doraemon (1969-1996)

Sinopse: Doraemon é um gato cósmico, vindo do século XXI, que vive com Nobita – um rapaz desastrado, com dificuldades nos estudos e chorão, mas nada violento. Doraemon tem a missão de ajudar Nobita a ser mais bem sucedido para o seu futuro. Para isso, conta sempre com o seu bolso mágico, do qual retira aparelhos do futuro, com capacidades impressionantes.

Porque se tornou um clássico: Em Março de 2008, o ministério estrangeiro do Japão apontou Doraemon como o primeiro “embaixador do anime” do país. O orador do ministério explicou a nova decisão como uma tentativa de ajudar as pessoas em outros países a compreender melhor o anime japonês e a aprofundar seu interesse na cultura japonesa. Ícone cultural japonês, reconhecido inclusive internacionalmente, o personagem foi um dos destaques na apresentação japonesa durante a Cerimônia de Encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016. No Brasil, o mangá não chegou a ser lançado, mas o anime teve sua primeira aparição em 1992, pela TV Manchete, no programa Clube da Criança, apresentado pela Angélica.

Autor: Yoshito Usui

Editora: Não possui versão em português

Volumes:

Lobo Solitário (1970-1976)

Sinopse: As histórias se passam no período Edo (Tokugawa) na história do Japão, entre 1603 a 1868. No período retratado, temos Itto Ogami, o executor oficial do governo, também conhecido como kaishakunin. O cargo era motivo de cobiça por outro Clã, o da família Yagyu, que arma uma conspiração para destituir Itto do cargo, incriminando-o por blasfêmia e traição. Itto Ogami tem sua esposa morta e apenas com o filho pequeno é obrigado a cometer seppuku, espécie de suicídio honroso. Mas, momentos antes da execução, descobre a conspiração e consegue fugir com o filho, com uma promessa de vingança. A saga de Itto Ogami e sua busca por vingança se estende por vários anos dentro da história, enquanto ele passa vagando pelo Japão.

Porque se tornou um clássico: A obra é tida como um retrato fidedigno da época de ouro dos samurais, o apogeu da Era do Xogunato, também conhecido como Período Edo (1603-1868). Violenta, reflexiva e bem narrada, essa obra-prima impactou vários autores ocidentais. Frank Miller a citou como uma das inspirações de Batman – O Cavaleiro das Trevas e fez questão de desenhar muitas das capas das edições americanas. No Brasil, o mangá chegou a ser publicado pela editora Cedibra, em 1988, passando depois para a editora Nova Sampa, em 1990, até chegar à edição de luxo, lançada em 2016, pela editora Panini.

Autor: Kazuo Koike

Editora: Panini

Volumes: 28

Hadashi no Gen (1972-1973)

Sinopse: Gen Pés Descalços, na versão em português, é uma história autobiográfica. Gen e sua família vivem em Hiroshima, perto do final da Segunda Grande Guerra. Enquanto o pai de Gen sofre com a ira e o desprezo dos militares e vizinhos por achar que é impossível uma vitória japonesa, sua família sofre com a escassez de alimentos. Mas nada disso terá qualquer importância diante da nova e terrível arma que o exército americano pretende lançar sobre o país.

Porque se tornou um clássico: Logo após o fim da segunda grande guerra, os japoneses (derrotados) foram proibidos pelo governo americano de escrever a realidade da bomba. Com o tratado de paz algumas obras foram liberadas alguns anos depois, desde que não mostradas ao povo americano. Gen foi uma delas. Em 1976 foi iniciado o Projeto Gen, cujo objetivo era traduzir e mostrar a mensagem da obra para outros países e culturas. Gen foi o primeiro mangá a ser traduzido para a Europa e Estados Unidos, onde recebeu críticas negativas por mostrar imagens muito realistas das consequências da bomba atômica.

Autor: Keiji Nakazawa

Editora: Conrad

Volumes: 10

Captain Tsubasa (1981-1988)

Sinopse: Aos 11 anos, Tsubasa Oozora se transfere para uma nova escola onde rapidamente se torna a estrela do time de futebol. Seu treinador brasileiro, Roberto Hongo, percebe o potencial do jovem atleta e oferece a ele uma chance de ir para o Brasil. Tsubasa treina bastante e a cada jogo que passa fica mais confiante em suas habilidades e velhos inimigos se tornam seus amigos.

Porque se tornou um clássico: Captain Tsubasa é sobre futebol. Como a série serviria para promover o esporte no Japão, foi apoiada pela Associação Japonesa de Futebol. A série ficou famosa no país e acabou realmente contribuindo para a moral da Seleção Japonesa, que estava desmotivada na época. Captain Tsubasa conta ainda com personagens inspirados em jogadores reais, inclusive brasileiros, como Rivaldo e Sócrates. No Brasil, o anime recebeu o nome de Super Campeões, sendo transmitido pela TV Manchete e, posteriormente, pela Rede TV. O mangá não chegou a ser publicado.

Autor: Yoichi Takahashi

Editora: Não possui versão em português

Volumes:

Akira (1982-1990)

Sinopse: 30 anos depois da III Guerra Mundial, uma gang de motoqueiros, liderados por Kaneda, é envolvido numa luta com a gangue rival. Tetsuo, o membro mais novo do gang de Kaneda, colide numa auto-estrada com uma criança misteriosa que havia escapado do programa de investigação psíquica secreta do governo. Tetsuo é depois levado pelos responsáveis deste programa governamental, juntamente com a criança, e é sujeito às mais diversas experiências. O incidente com a criança misteriosa, bem como os testes realizados, acordaram os poderes latentes de Tetsuo, com desastrosas consequências.

Porque se tornou um clássico: Akira é uma grande referência até os dias de hoje. Sua visão de futuro e seu estilo cyberpunk se tornaram importantíssimos para cinema, livros e TVs. Foi a primeira animação japonesa a ser exibida em cinemas brasileiros como um filme mainstream. Também foi exibido várias vezes na TV aberta durante os anos 90, pela Rede Bandeirantes. O mangá foi publicado pela Editora Globo a partir de 1991, na versão colorida, se tornando um marco para os quadrinhos no país. Em junho do ano passado, a editora JBC confirmou o lançamento do mangá, mas ele ainda não está disponível nas bancas.

Autor: Katsuhiro Otomo

Editora: Globo

Volumes: 38

Dragon Ball (1984-1995)

Sinopse: Dragon Ball foi vagamente modelado no clássico romance chinês Jornada ao Oeste. Neste romance mitológico, Sun Wukong (Rei Macaco), uma figura lendária com extraordinários poderes, acompanha e protege a jornada do monge Tang Xuanzang para o oeste em busca do Sutra (escritos sagrados do Budismo). Em Dragon Ball, temos Son Goku, um menino com cauda de macaco que matou o avô acidentalmente ao se transformar em um macaco gigante. Sua jornada tem o objetivo de reunir as 12 esferas do dragão, capazes de conceder qualquer desejo àquele que as possuir.

Porque se tornou um clássico: Desde o seu lançamento, Dragon Ball tornou-se uma das mais bem sucedidas séries de mangá de todos os tempos. Seus 42 volumes venderam mais de 156 milhões de cópias no Japão e mais de 240 milhões de cópias em todo o mundo. Ele também é considerado uma das séries de mangá mais influentes já feita, com muitos artistas como Eiichiro Oda (One Piece), Masashi Kishimoto (Naruto) e Tite Kubo (Bleach), citando-o como fonte de inspiração de suas obras. No Brasil, foram lançados movie books da série em 1997, pela Editora Abril Jovem. O mangá foi lançado entre 2000 e 2003 pela Conrad Editora de maneira incompleta, vindo a ser novamente iniciado em 2012 pela Editora Panini.

Autor: Akira Toriyama.

Editora: Panini Comics

Volumes: 42

Ghost in the shell (1989-1991)

Sinopse: Ghost in the Shell narra as missões da Comissão Nacional de Segurança Pública, divisão do governo japonês do futuro que lida especialmente com crimes tecnológicos. A equipe, chefiada pelo carrancudo Daisuke Aramaki e liderada pela Major Motoko Kusanagi, enfrenta diariamente as transgressões no ciberespaço surgidas com o avanço da tecnologia. Motoko foi tão modificada que quase todo seu corpo já é robótico. De humano, só teria sobrado um fantasma de si mesma.

Porque se tornou um clássico: Ghost in the Shell é uma das obras mais impactantes dos mangás de ficção científica. Bastante influenciado por Neuromancer (1984), é filho direto da melhor literatura cyberpunk da época, trazendo nas costas longas reflexões sociais, políticas, metafísicas e filosóficas sobre homem e máquina. Até os dias atuais continua influenciando obras do gênero, inclusive no ocidente, como as irmãs Wachowski na criação da trilogia Matrix. No Brasil, o mangá foi lançado em volume único, pela editora JBC, na Comic Com Experience de 2016. E claro, em 2017 teremos o aguardadíssimo longa produzido em Hollywood e estrelado por Scarlett Johansson, na pele da Major Kusanagi.

Autor: Shirow Masamune

Editora: JBC

Volumes: 1

RG Veda (1989-1996)

Sinopse: Trezentos anos atrás o deus do trovão, Taishakuten, rebelou-se contra e matou o Imperador dos Céus, juntamente com o deus-guardião Ashura-ou. Ele usurpou o trono e começou seu reino cruel como o novo imperador. Entretanto, uma profecia previa que o Guerreiro Guardião do norte, Yasha-ou, acorda a criança de Ashura-ou, Ashura, que dormiu durante os últimos trezentos anos sob um selo mágico. Acreditando que a profecia significa que as “seis estrelas” juntas podem destruir Taishakuten, ele e Ashura saem à procura das estrelas para destruir o atual imperador.

Porque se tornou um clássico: Primeira obra do aclamado grupo CLAMP, foi responsável por elevar o destaque de suas criadoras a nível nacional. O grupo, formado inicialmente por 11 pessoas, teve várias desistências até que restassem apenas quatro amigas, que ainda estão ativas e contam com vários sucessos na carreira como Guerreiras Mágicas de Rayearth e Sakura Card Captors. A história caracteriza-se por elementos da Mitologia Védica; o próprio título é uma alteração de Rigveda, o mais antigo dos quatro escritos religiosos Hindus conhecidos como o Vedas.

Autor: CLAMP

Editora: JBC

Volumes: 10

Slam Dunk (1990-1996)

Sinopse: Ao apaixonar-se por uma garota que admira o basquete (Haruko), Sakuragi entra no time do colégio para conquistá-la. De início, passa por sérios problemas com a adaptação ao esporte, já que, apesar de ter uma força física impressionante, não possuía habilidade na prática. Sakuragi não é só um jogador de basquete. Com a continuidade da história pode-se perceber que ele possui sentimentos, tornando-se também exemplo de determinação e perseverança. O Shohoku passa a contar com um elenco de ouro com o passar do tempo, e o sonho de conquistar o título nacional torna-se mais próximo do que nos anos anteriores, quando o time não tinha muita expressão.

Porque se tornou um clássico: A popularidade da série no Japão foi estrondosa. Em 2012, Slam Dunk atingiu 120 milhões de cópias vendidas somente no Japão, se tornando um dos mangás mais vendidos da história. O impacto social da obra conseguiu, gradativamente, mudar por completo as estatísticas do basquete dentro do universo escolar japonês, quebrando o tabu que existia em relação ao esporte. Em 1995 (5 anos depois do lançamento do mangá e 2 do anime), 1 a cada 5 estudantes jogavam basquete no Japão. No Brasil, o mangá foi lançado pela editora Conrad entre 2005 e 2008, passando para as mãos da editora Panini, que iniciou a venda da edição de luxo em 2016.

Autor: Takehiko Inoue

Editora: Panini

Volumes: 24

Sailor Moon (1991-1997)

Sinopse: Sailor Moon conta a história de Usagi Tsukino, uma garota de 14 anos que um dia encontra Luna, uma gata falante que revela a identidade de Usagi como Sailor Moon, uma guerreira mágica destinada a salvar a terra das forças do mal. Junto com suas guardiãs — a inteligente Sailor Mercury, a vidente Sailor Mars, a delicada, porém forte Sailor Júpiter e a alegre Sailor Venus — luta contra o mal em grandes aventuras.

Porque se tornou um clássico: O anime e o mangá são citados como responsáveis por popularizar o gênero shoujo (produções direcionadas ao público feminino, normalmente entre 12 e 18 anos). Depois de seu sucesso, muitas séries do mesmo tema surgiram e Sailor Moon chegou a ser chamada como “o maior avanço” de um anime até 1995. Em 1996, devido ao grande sucesso de Os Cavaleiros do Zodíaco, a Rede Manchete adquire os direitos das primeiras temporadas e começa a transmitir o anime em rede nacional. Porém, o mangá só foi chegar nas terras tupiniquins em 2014, pela editora JBC.

Autor: Naoko Takeuchi

Editora: JBC

Volumes: 12


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Bianca Ferreira

Psicóloga, mestranda em psicanálise e dona da Bianqueria.