Minas Nerds entrevista a neta da Mulher-Maravilha

Uma personagem com 75 anos que terá seu primeiro longa-metragem em 2017, certamente é um assunto que não se esgota e é bem provável que até sua estreia no cinema, sejamos expostos a aspectos pouco conhecidos de sua história.

Eu já havia falado sobre a controversa figura de seu criador, Willian Moulton Marston e sobre a razão pela qual a Mulher-Maravilha é um grande ícone feminista, ainda que a ONU tenha retirado sua nomeação do cargo de embaixadora honorária do empoderamento feminino.

O que talvez muita gente não saiba é que muitos dos argumentos usados para sua nomeação não surgiram recentemente, mas são fruto da dedicação de fãs do mundo todo que, por meio de uma rede criada por Christie Marston, neta de Willian e Elizabeth Marston, compartilham mensagens sobre a importância da personagem há mais de 5 anos.

Christie, mais conhecida como a neta da Mulher-Maravilha,  é hoje curadora do museu da família e responsável pela página Wonder Woman Network, que reúne curiosidades sobre o museu da família, em Connecticut, EUA, além de fotos da coleção de itens relacionados à amazona e das visitas ilustres que o museu recebe, como a de Lynda Carter.

Lynda Carter visitando o museu

No site também é possível deixar sua mensagem sobre a razão de você amar Diana, no link “Share the wonder”. A ideia do museu surgiu em 2000, quando Pete Marston, pai de Christie e filho de Willian, percebeu que não havia mais espaço em sua garagem para a coleção que começou nos anos 40, com itens que Moulton recebia de fãs do mundo todo. Essa coleção não para de crescer e, de acordo com a própria Christie, o que você imaginar sobre a Mulher-Maravilha, é possível encontrar no museu.

Ao longo dos últimos anos, pessoas do mundo todo compartilharam suas mensagens explicando o que faz da Mulher-Maravilha única e de que forma ela os inspirava e o resultado foram declarações como “ela é real para as pessoas”, “uma amiga”, “uma inspiração”, “Um modelo de quem realmente faz do mundo um lugar melhor”. Histórias incríveis de pessoas muito diversas, de diferentes idades, gêneros, posicionamentos políticos, crenças, orientações sexuais, formações, classes sociais e econômicas…Todas lado a lado em relação a algo em comum: valores humanos.

Christie Marston com algumas Mulheres-Maravilha de crachá)

De acordo com Christie, as pessoas querem e precisam de alguém em suas vidas que represente e se posicione em relação a valores que são importantes para elas. As pessoas estão cansadas de mentiras e de sofrimento. “Elas querem um modelo que aponte o caminho para uma vida melhor. A Mulher-Maravilha tem representado isso há várias gerações. Ela inspirou as pessoas a darem o seu melhor e as encorajou a se esforçarem mais. Ela surgiu como um personagem fictício em uma história em quadrinhos, mas se tornou uma parte muito real e valiosa do nosso mundo”.

Pensando em tudo isso, conversei com Christie Marston por e-mail e ela cedeu ao Minas uma entrevista exclusiva:

Bom, crescer tendo a Mulher-Maravilha como parte da família deve ter sido incrível. Você costuma pensar sobre a responsabilidade de ser sua “parente”?

Não, de forma alguma. Você pensa na responsabilidade de ser a neta da sua avó? (risos)

 

Por que você acha que a Mulher-Maravilha é tão amada no mundo todo?

A Mulher-Maravilha significa muita coisa para muita gente, então, limites como fronteiras não impedem que as pessoas a amem, pois elas amam o que ela representa.

 

Eu soube de algumas histórias de pessoas sendo metaforicamente resgatadas pela MM em situações difíceis, como quando a escritora Lilian Robson estava em uma banheira e não conseguia andar, então ela meio que evocou a personagem para que ela conseguisse se levantar. A Gail Simone sempre diz que quando você estiver diante de um problema, deve se perguntar o que a MM faria. E você? Tem alguma história parecida? O que ela já fez por você?

Sim e não. Sim, eu usei atitude positiva para lidar com situações difíceis, mas não atribuí à Mulher-Maravilha. Eu simplesmente fiz. Atitude é tudo!

 

O que pode ser encontrado no museu da sua família dedicado à Mulher-Maravilha?

Tudo que você possa imaginar, desde brinquedos e action figures a estátuas e camisetas. É impressionante a quantidade e coisas no mundo todo sobre a Mulher-Maravilha.

 

Por que o reconhecimento dela como embaixadora do empoderamento feminino era importante?

A MM representa justiça para todo mundo. Existem muitas partes do mundo em que ser mulher é o mesmo que ser nada. A MM ajuda a mostrar que a porção feminina da população mundial tem tanto valor quanto o segmento masculino.

 

Você tem uma HQ favorita da Mulher-Maravilha?

Trina Robbins escreveu um título especial que eu não só amo, mas acredito que deveria ser obrigatório em todas as escolas do mundo. “The once and the future story”conta uma história de abuso em duas linhas temporais ao mesmo tempo, a diferença é como cada uma das vítimas lida com a situação e o resultado é muito real.

 

Christie, Trina Robbins e Pete Marston

A pesquisa de Jill Lepore parece ser bem completa. Como uma pesquisadora de histórias em quadrinhos, eu gostaria de saber o quão acuradas são as informações de seu livro e se há algo que gostaria de acrescentar sobre ele.

Jill Lepore escreveu uma ficção e ela sabia o que estava fazendo. É só ler as notas no fim do livro e isso ficará bem claro. A “fonte” de Lepore, incluindo citações(!) dos eventos de 1926 até a morte de meu avô em 1947, não havia nem nascido até 1941. E essa fonte vivia do outro lado do país e não teve contato conosco até sua adolescência. Lepore se baseou na ideia de que ninguém checaria seus “fatos” ou “fontes” porque ela é professora de História em Harvard. De certa forma ela acertou e colheu frutos por isso.

 

Que outros livros e fontes você recomendaria para que as pessoas pudessem aprender mais sobre a Mulher-Maravilha?

A melhor forma de conhecer o que realmente importa sobre a MM é lendo seus quadrinhos originais de 1941 a 1947.

 

E sobre os direitos autorais e royalties? Na página do museu há uma nota explicando que não é um espaço autorizado pela DC/Warner. Sua família foi afetada por algum problema relacionado aos direitos de seu avô? Afinal, no passado os artistas não tinham direitos sobre suas criações.

Lembre-se de que meu avô não era uma escritor de quadrinhos, ele era um consultor psicológico para todos os quadrinhos da DC. Também, tanto meu avô, como minha avó eram advogados, então, naturalmente havia contrato envolvido.

 

Que outros fatos curiosos poderia contar sobre a MM?

Minha avó e a Mulher-Maravilha eram a mesma pessoa para mim. Minha avó foi a inspiração para a criação da personagem e foi quem sugeriu que ela fosse uma mulher. Ela nasceu em 1893 e tinha 3 graduações em uma época em que grande parte das mulheres sequer terminavam o ensino médio. Elizabeth passou 100 anos na Terra sendo positiva e nunca aceitando um “não” quando a resposta deveria ser “sim”. Então, o fato curioso é que a Mulher-Maravilha sempre foi muito real!

 

Que mensagem você deixaria às fãs brasileiras que leem o Minas Nerds?

Continuem MARAVILHosas!

 

 

Para saber mais:
http://noblemania.blogspot.com.br/2014/05/interview-with-another-granddaughter-of.html

http://www.ctpost.com/news/article/Wonder-Woman-has-home-in-Bethel-5582015.php

http://www.wonderwomannetwork.com/Museum.html

 


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Dani Marino

Dani Marino é pesquisadora de Quadrinhos, integrante do Observatório de Quadrinhos da ECA/USP e da Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial – ASPAS. Formada em Letras, com habilitação Português/Inglês, atualmente cursa o Mestrado em Comunicação na Escola de Artes e Comunicação da USP. Também colabora com outros sites de cultura pop e quadrinhos como o Iluminerds, Quadro-a-Quadro, entre outros.