6 séries para preencher o vazio que Sense8 deixa em nossos corações

A notícia do cancelamento de Sense8 semana passada quebrou nossos corações

Tudo porque nos apaixonamos por aquelas pessoas, então preparamos uma lista com séries com personagens apaixonantes e que também falam de representatividade racial, de gênero e feminismo de maneiras emocionante e divertidas.

 

Black-ish
É uma comédia de família de onde a médica Rainbow Johnson, seu marido e publicitário Dre Johnson  (Anthony Anderson) começa a tentar criar uma sensação de identidade étnica para os seus 4 filhos que lhes permita honrar seus antecedentes ao prepará-los para abraçar o futuro.

Mesmo sendo uma família de classe-média alta, que vive sem problemas financeiros e com acesso a tudo, as personagens constantemente fazem ótimas reflexões sobre raça, religião, consumo, educação, feminismo e trabalho tendo episódio emocionantes como Hope, onde a família assiste e debate os eventos que aconteceram em Ferguson e a violência policial contra negros nos Estados Unidos.

 

Jane The Virgin

 

Jane Villanueva mora em Miami, tem um namorado, 2 empregos e um sonho de se tornar escritora. Jane católica,  neta de imigrantes venezuelanos e criada pela avó e sua mãe, que a teve com 15 anos de idade sem a presença de um pai. A vida de Jane vai bem até que ela é inseminada artificialmente por acidente e engravida.

Com ritmo de telenovela mexicana, Jane The Virgin é uma incrível série com uma protagonista forte e mulheres incríveis vivendo muitos romance, aventuras, desilusões e alguns perigos. A série ainda tem um mérito por ser bilingue e estudos o inglês e o espanhol ao mesmo tempo em todos os episódios.

 

 

Queen Sugar

 

 

Idealizada por Ava DuVernay, diretora de Selma, e com produção executiva de Oprah, Queen Sugar é a adaptação para a TV com um romance de mesmo nome que contra a história de 3 irmãos: Charlie, Nova e Ralph Angel que herdam a fazenda de cana de seu pai nos arredores da cidade Nova Orleans. Na série, cada um dos três irmãos lidam com questões bem específicas em suas vidas pessoas como escândalo sexual estupro, violência policial, guarda de filhos.

 

Speechless

 

 

JJ DiMeo é o filho mais velho dos 3 filhos  de Maya e Jimmy, e JJ tem paralisia cerebral. Conhecemos JJ quando ele começa a estudar no mesmo colégio que seus irmãos pois toda sua família acredita que ele deve ter todas as experiências que um adolescente deve viver. Logo acompanhamos a luta deles por mais acessibilidade e inclusão. Série genial que te arranca gargalhadas e te emociona o tempo todo.

 

 

Superstore

 

 

Superstore acompanha a vida dos funcionários de uma superloja no estilo Walmart que conhecemos quando Jonah, um jovem executivo que desiste de terminar seu MBA em uma universidade de renome e decidi começar do zero se empregando nessa loja. Lá ele conhece a supervisora Amy e seus demais colegas composto por imigrantes, religiosos, conversadores, adolescentes e  idosos, cada um com histórias e motivações diferentes que os fazem se relacionar com seu trabalho de maneiras completamente diferentes.

 

Younger

 

São raras as séries que falam sobre a relação da mulher e sua idade e como a sociedade encara seu envelhecimento. Younger faz isso de uma maneira muito inteligente ao contar a história de Lisa, 43 anos, recém-divorciada e precisa voltar para o mercado de trabalho, mas é sequencialmente rejeitada por conta da sua idade. Sendo assim ela resolve se passar por uma moça de 26 anos e consegue um emprego na Empiral, a editora mais badalada de Nova York e a partir daí passamos a acompanhar a vida dupla de Lisa e rir muito com ela vivendo no mundo dos hipsters millenials.


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Sylvia Ferrari

Relações Públicas formada pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo com especializações em Branding e Gestão Estratégica de Negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Escreve e fala sobre seriados intensamente aqui nos MinasNerd e em sua newsletter The S Files.