DIA DE ROCK, BEBÊ- 10 mulheres que fizeram a história do rock

Foram muitas as mulheres que moldaram a história do rock’n roll desde que ele passou a ser assim denominado. O mundo, inclusive, atribui a “paternidade” do menino rock a Elvis, mas foi uma mulher que o semeou no mundo e acabou influenciando o rei.  Aliás, não só a ele, mas a grandes nomes do classic rock, folk e blues como Chuck Berry, Bob Dylan, BB King, Johnny Cash e Little Richards.  O rock, todo mundo sabe, é uma mistura de influências, jazz, soul, country, gospel e foi a cantora e guitarrista (violonista) Sister Rosetta Tharpe a mulher que o pariu.

Rosetta era filha de uma missionária evangélica que pregava em tendas itinerantes no Arkansas, sudeste dos EUA e desde muito cedo aprendeu a tocar o violão para acompanhar a mãe nas pregações. Começou a se destacar justamente quando passou a improvisar solos dificílimos no violão em meio aos tradicionais hinos de igreja e logo se tornou famosa por seu incrível talento.

A “irmã”  foi também uma das poucas mulheres negras a tocar  guitarra (violão) na década de 20.  Na década de 30 acabou indo à grande público com sucessos como “Rock Me”, “The Lonesome Road”, “Tall Skinny Papa”, entre outros. Rosetta Tharpe  já estava na estrada há quase 20 anos quando “Elvis, The Pelvis” foi coroado.

A música que a consagrou como criadora do rock foi  Strange Things  Happening  Every  Day. – Presta atenção nesse dedilhado e nos solos…

Grace Slick

Ninguém quase NUNCA fala dela, mas Grace foi uma das MAIORES vozes do rock e uma das primeiras vocalistas mulheres em uma banda masculina, junto com Janis Joplin, Suzy Quattro e Steve Nicks do Flettwood Mac.

Grace abriu caminho para o rock psicodélico do Jefferson Airplane e foi ícone de “mal exemplo” para todas as “meninas de família e de bem” dos anos 60. Sua voz era firme e encorpada, com vibratos e boa extensão, algo difícil no rock, até então. Além de liderar o Jefferson Airplane, também foi vocalista de suas outras duas ‘“versões”: Jefferson Starship, e Starship, além do Great Society. Foi amiga de Janis até seu falecimento, namorada de Jim Morrisson (The Doors) e de Jerry Garcia do Gratefull Dead. Canções notáveis que Slick gravou nessa época incluem “White Rabbit”, “Somebody to Love”, “We Built This City”, “Lather” e “Nothing’s Gonna Stop Us Now”.

Curiosidade: Slick e Tricia Nixon, filha do ex-presidente dos Estados Unidos Richard Nixon (aquele do Watergate! Dê um Google!) eram alunas do mesmo colégio. Por esse contato, junto com os outros alunos de sua classe, foi convidada para uma festa na Casa Branca em 1969. Ela convidou o ativista político Abbie Hoffman para acompanhá-la, e planejou colocar LSD no chá do presidente Nixon. Entretanto, o plano falhou após ela ter sido proibida até mesmo de entrar na Casa Branca. Grace ainda está viva e faz parte do Rock’n Roll Hall of Fame como uma das GRANDES vozes do rock, como vocês podem conferir a seguir.

Somebody to Love – Jefferson Airplane (Grace Slick)

 

 

Pat Benatar

Uma das primeiras mulheres a ser associada ao hard rock, a ascensão de Pat Benatar de caixa de banco para os palcos foi meteórica O sucesso começou com seu primeiro álbum, The Heat of the Night, em 1979. Seu segundo álbum, Crimes of Passion, foi seu passe para os primeiros lugares da MTV em 1981 Pat. é o retrato dos anos 80 todinho: collants coloridos, cabelos com gel, faixas neon e letras BEM FEMINISTAS pra época. Apesar de todos adorarem “Hit Me With Your Best Shot”, “Love is a Battlefield” também foi um sucesso e um marco da década “perdida”

 

Chrissie Hynde

Outro exemplo de mulher à frente de uma banda masculina. Apesar de ter passado a década de 70 tentando convencer homens a formarem uma banda tendo ela como líder e vocalista, nos final de 79 Hynde finalmente conseguiu que sua fita demo fosse ouvida por uma gravadora e formou o PRETENDERS. O resto é história. E ela fez muita. Dona de uma voz grave e deliciosa, também influenciou bastante o rock nos anos 80.

 

Ann e Nancy Wilson – HEART

Duas irmãs que queriam ter uma banda de rock no estilo Led Zeppelin. Isso pode definir o HEART, banda de hard rock dos anos 70/80 que marcou sua época e um estilo hipersexualizado pelos homens e onde as mulheres tinham pouco espaço. Pois o Heart foi e ganhou, literalmente, seu espaço no grito. E que grito. A voz de Ann Wilson é uma das mais poderosas do rock. A banda vendeu cerca de 35 milhões de discos no mundo inteiro (cerca de 22 milhões de cópias só nos EUA) e emplacou 9 singles no Top 10 americano. Algumas das músicas de maior sucesso foram a balada “Alone, “What About Love”, “Barracuda”, “Crazy on You” e “These Dreams”. O Heart ficou no 57° lugar na lista dos 100 Maiores Artistas de Hard Rock da Rolling Stone e também está no Rock’n Roll Hall of Fame como uma das bandas mais vem sucedidas comercialmente, no gênero.

Lita Ford

Muita gente fala de Joan Jett, e não querendo, de forma alguma tirar seu mérito, mas todo mundo se esquece de Lita Ford, outra peça CRUCIAL no Runaways e uma guitarrista INCRÍVEL que não teve tanto destaque quanto Joan provavelmente porque nunca foi crooner e sim, instrumentista. Lita era a única no Runaways que tinha formação musical e era geralmente vista como a chata que cobrava perfeccionismo nos ensaios. Já cantou com Ozzy, foi agenciada por Sharon Osbourne, namorou Nikky Six do Motley Crue e casou-se com Stet Howland do WASP.

Stevie Nicks

Desde que se juntou ao Fleetwood Mac em 1975, Stevie Nicks estabeleceu-se como um importante talento vocal e compositora. Enquanto ainda era membro da banda, ela também lançou uma carreira solo em 1981. Artistas de vários gêneros citaram Nicks como uma grande influência em sua música. O último filme dos Guardiões da Galáxia traz em sua trilha sonora uma canção de Nicks , The Chain.

 

Suzy Quatro

Suzi Quatro foi definitivamente a primeira guitarrista mulher a ser reconhecida como “roqueira” pela mídia em meados dos anos 70. Sua irmã, Patti Quatro, abriu caminho como membro da Fanny, uma das primeiras bandas de rock feminino a assinar com uma grande gravadora.. Uma longa lista de artistas cita Suzi como uma grande influência no seu trabalho, incluindo algumas que estão nesta lista: Heart e Chrissie Hynde. Ele era mega radical para a época. Um arraso.

Suzi também foi atriz de uma série de TV chamada Happy Days, nos anos 70.

 

Patti Smith

Ela foi apelidada de “Madrinha/Mãe do Punk não à toa, já que foi de grande influência para o movimento que surgiu em meados dos 70. Mas Patti Smith não se restringe ao punk e influenciou artistas que vão desde U2 até Shirley Manson. Seu álbum de estréia, o clássico, Horses (1975), tem lugar nas listas de “maiores álbuns de todos os tempos” de revistas como Rolling Stone, Time e NME. Patti também se destacou como autora, poetisa e ativista social, aliás, foi por seu ativismo social e político que foi associada ao movimento punk. Foi namorada, amiga e alma gêmea do fotógrafo Robert Mapplethorpe. A história de ambos pode ser lida em sua autobiografia “Só Garotos”.

 

Kathleen Hanna

Hanna não poderia faltar nessa lista. Ela foi vocalista da banda Bikini Kill (e mais tarde da também feminista, Le Tigre) simplesmente uma das precursoras do movimento Riot Grrls, do qual falamos mais aqui. Kat é vocalista, guitarrista, escritora, fanzineira e ativista social em prol dos direitos da mulher e dos portadores da Doença de Lyme.. Em 1998, lançou um álbum solo usando o pseudônimo Julie Ruin. Um documentário sobre a vida de Hanna foi filmado entre 2010 e 2013. O filme, que se chama The Punk Singer, estreou em março de 2013, nele, a cantora discorre sobre sua luta contra a Doença de Lyme com a qual foi diagnosticada desde 2010. Desde 2010, Hanna lidera a banda The Julie Ruin e é um das MAIORES influências do cenário indie rock alternativo do mundo.

Hanna, que era amiga dos membros do Nirvana, namorou o baterista da banda, Dave Grohl, durante os anos 90. Em 1991, durante uma festa na casa de Kurt Cobain, Hanna pichou na parede da sala de Kurt a frase “Kurt smells like teen spirit” (Kurt tem cheiro de teen spirit, um desodorante adolescente feminino), uma brincadeira que se referia ao fato de Cobain estar com o cheiro do desodorante de Tobi Vail, sua namorada na época. A frase inspirou a canção “Smells Like Teen Spirit”.

“AH, mas faltaram Joan Jett, Janis…Courtney Love Tina Turner!….- Faltou muita gente. E vai sempre faltar. Porque as mulheres foram BASE na criação e propagação do Rock. Nunca faremos jus a todas que contribuiram com o gênero. Por isso, celebremos esse DIA INTERNACIONAL DO ROCK curtindo o trabalho dessas manas que abriram caminho pra nós. FELIZ DIA DO ROCK!


Os artigos aqui publicados são de total responsabilidade de suas autoras e editoras.

Gabriela Franco

Jornalista especializada em cultura pop, produtora, cineasta e mãe da Sophia e da Valentina

Criadora do MinasNerds.