As 10 melhores HQs para garotas adolescentes

Fiquei pensando: grande parte das leitoras do MN são adolescentes, por que não fazer um top 10 melhores HQs para meninas adolescentes?

E no que essa lista vai diferir da primeira lista que fizemos, com as 10 heroínas mais feministas das HQs?  Bem, as mulheres citadas nessa nova lista se encontram na famigerada fase peculiar da vida onde, entre derrotar o terrível vilão e salvar o Universo, precisam passar pelo drama de perguntar aos pais se podem ir naquela festa na sexta à noite…

Adolescência… Quem nunca?  Aqueles conhecidos versos bíblicos “Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte…” com certeza se referem à ela. Escola. Notas. Mil escolhas. Não somos adultas, mas também não somos crianças. Estamos aí, nessa “idade do limbo”. Muito sono, muita fome. Muita lição e trabalhos. Não temos grana para tudo o que queremos. (Bem, esse status não muda com a idade, só avisando) tem o/a crush que deixa a gente “nervousar”, tem a sexualidade que tá confusa, nosso corpo que tá se desenvolvendo de uma forma bizarra, tem a relação com os pais que também tá bem loka, bem, miga, quer uma sugestão? Leia quadrinhos. Não resolve, mas alivia. Palavra de quem leu a adolescência inteira e acabou criando o MinasNerds ?

Então vamos lá para nossa lista!

10. Turma da Mônica Jovem

Vamos começar com um clássico nacional – Turma da Mônica, que todo mundo conhece desde criancinha, agora, na fase da adolescência/juventude. Os planos infalíveis do Cascão e Cebolinha agora ganham uma outra dimensão, Mônica cresceu e trocou o vestidinho vermelho por várias roupitchas fashion e Magali continua comendo feito uma tresloucada, mas tem várias DRs com sua melhor amiga sobre a vida, a morte, escola, garotos e afins. O legal da revista é a linguagem super acessível e a abordagem bem humorada de assuntos cabeludos como: caráter, fidelidade, sexualidade, amor, escolhas, relação com os pais…e todo esse mexidão chamado adolescência.

Ah, e dando uma dica: uma das principais roteiristas da revista é uma MinaNerd, faz parte do nosso grupo e faz vários projetos conosco, a Petra Leão, maninha do coração que adoro muito <3

Vale a pena, é divertido e tocante e as ilustrações são lindas.

9. O Fantasma de Anya – Vera Brogol – Editora Jangada

Uma imigrante russa às voltas com típicos problemas da puberdade e ao mesmo tempo tentando se adaptar à sua nova vida nos EUA já parece um enredo aterrorizante o bastante, certo? Mas não. Como miséria pouca é bobagem pras amigue adolescente, essa ainda CAI NUM BURACO na floresta e bate papo com uma FANTASMA chamada Emily, que morreu há 90 anos, no mesmo buraco. A coisa começa a ficar bizarra quando Emily segue Anya de volta à sua vida normal e passa tanto a atormentá-la quanto a privilegiá-la, sendo “sua amiga invisível” e prometendo ajudá-la a decifrar um possível assassinato. Mas aos poucos Anya vai vendo que a presença de Emily em sua vida está mais para “encosto” do que amizade e precisa tomar uma decisão. A graphic novel tem tons autobiográficos, já que a autora também é russa e mudou -se para os EUA bem nova.

Tem terror, suspense, diálogos ótimos e belas reviravoltas. Lembra um pouco Neil Gaiman.

8. Fugitivos – Brian K. Voughan e Adrian Alphona – Panini

Fugitivos  (Runaways) é um grupo da Marvel criado pela dupla Brian K Vaughan (Y: o Ultimo Homem e Saga)  e Adrian Alphona (Miss Marvel)  em 2003 para a linha Tsunami, e foram publicados pela primeira vez no Brasil em 2006 pelo selo Pocket Panini. O enredo é muito legal e a patota se resume basicamente a filhos de super vilões que, depois de descobrirem quem seus pais são de verdade, fogem de casa e se unem num plano para tentar impedi-los.

É cheio de mudanças de roteiro, tem participação de Vingadores e até o Ultron entra na parada. Se é ação que você quer, essa série é demais. E eles ainda precisam lutar contra os próprios impulsos e aprender a conviver uns com os outros. A líider da equipe é uma garota, Nico Minuro e o grito de guerra deles é: “Tentem não morrer” ? basicamente o que um adolescente devia repetir todos os dias, né não? Baita gibi divertido. Ah, só pra constar: Brian K Voughan ganhou o Eisner (o Oscar das HQs) por conta desse título <3.

Onde encontrar: Well, a série foi lançada em 2006, a Panini lançou dois TPs ano retrasado,  portanto, até que lancem um encadernado decente (POR FAVOR, PANINI NUNCA TE PEDI NADA)  é meio difícil de achar por ai a não ser em sebos (físicos e digitais, como Mercado Livre ou Estante Virtual) ou… scans (hihihi…fica a dica ?

7. Sorria – Raina Telgemeier – Editora. Devir

Fenômeno de vendas nos EUA, Smile (título original) fez de Raina uma celebridade lá fora. Agora chegou ao Brasil pela Devir, em uma edição super especial.

Autobiográfica, a HQ conta a história de Raina, então, uma garota na 6ª série que, por conta de um tombo feio, precisa passar por uma série de cirurgias e correções nos dentes e uso de diversos tipos de aparelhos dentais.

E junto disso, óbvio, vem os problemas de autoestima, bullying na escola, dificuldades com os garotos, problemas para fazer esportes…e amadurecimento. Muito legal, leve e bem humorado,  mostra que problemas podem acontecer com qualquer uma e que você não foi a única escolhida pelos deuses para viver esse momento terrível da sua vida chamado adolescência.

6. Lumberjanes –  Shannon Watters, Grace Ellis e Noelle Stevenson – Editora Devir

Ah, adolescência e acampamentos. Esse binômio é magico, especialmente lá fora, nos EUA, onde passar as férias em uma colônia é praticamente um ritual de iniciação. Uma semana LONGE dos pais, com amigos (novos ou velhos) e a natureza selvagem ao nosso redor. Bem, aqui no Brasil existem alguns acampamentos e olha só, eu mesma, essa que vos escreve,  fui acampante e “tia de acampamento”, tenho altas aventuras para contar ? – Lumberjanes conta justamente a história de de cinco amigas, Mal, Ripley, Molly, April e Jo, que vão para uma colônia de férias, onde eventos sobrenaturais acontecem e elas, é claro, estão metidas neles até as orelhas. Muito legal, porque cada uma tem uma personalidade completamente diferente da outra, muito gostoso se reconhecer e reconhecer amigas nelas.

5. Finalmente o Verão (This One Summer) – Mariko Tamaki e Jillian Tamaki – Editora Planeta Tangerina (Portugal)

Você se lembra exatamente da época em que sentiu que as coisas seriam diferentes dalí para a frente? O famoso “final da infância”?…Essa HQ conta a história de duas amigas que passavam o verão sempre juntas. Mas dessa vez, as coisas estão um pouco diferentes. 
Uma história vibrante e comovente sobre o fim da infância, a entrada na adolescência e as dores do crescimento que sempre a acompanham essa fase. Por enquanto foi editada só em Portugal, mas você consegue encontrar em livrarias brasileiras.

4. A Imbatível Garota Esquilo (The Unbeatable Squirrel Girl) –  Erica Henderson e Ryan North – Marvel Comics

Tentei ao máximo colocar HQs publicadas no Brasil, mas fica aqui o apelo para que tragam A Imbatível Garota Esquilo para terras brazucas, porque esse gibi é demais de divertido. Esqueça heróis complicados e seu super-poderes, com a Garota Esquilo por perto nada pode dar errado! E se der, vai ser engraçado pra caraca.  Ele conta a história e Doreen Green, uma mutante meio-humana, meio-esquilo que, entre salvar o Universo e fazer parte dos Vingadores Centrais, precisa pensar em meios mirabolantes de esconder sua enorme cauda dentro das calças e ser babá da filha de Jessica Jones com Luke Cage… e ainda controla seus amiguinhos esquilos do jardim! Imperdível.

3. Retalhos – Craig Thompson – Editora Cia das Letras

Aqui o autor (é um menino) conta a história de sua vida, a infância em uma família ultra-religiosa em uma cidadezinha do interior dos EUA e a entrada na adolescência e juventude, todos os seus questionamentos e como uma garota muda toda sua vida e expande seus horizontes, ajudando-o a transformar-se em um homem. É bem poético e muito sensível, muito tocante, confesso que chorei em algumas partes ? é um exemplo clássico de HQ autoral, premiada em diversos países, vencedora de três prêmios Harvey (melhor artista, melhor graphic novel original e melhor cartunista), dois prêmios Eisner (melhor graphic novel e melhor escritor/artista), e, em 2005, do prêmio da crítica da Associação Francesa de Críticos e Jornalistas de Quadrinhos. Pura literatura em quadrinhos.

2. Batgirl –  Cameron Stewart, Branden Fletcher e Babs Tarr – DC Comics

Esqueça a velha Batgirl da “Bat-família”. Ela cresceu, faz faculdade de psicologia e saiu de Gotham para uma cidade suburbana conhecida como Burnside, onde descobre uma rede de pedofilia, entre outros crimes que vai ajudar a combater. E mais: usa coturnos, jaquetas de couro e adora tirar selfies com seu celular. Super me identifiquei.

1. Miss Marvel

Já falei sobre ela aqui: Porque Miss Marvel é um marco nas HQs

Menção honrosa: Persépolis – Marjane Satrapi – Editora Cia das Letras

persepolis2

Bem, querida, se você acha que sua adolescência está sendo difícil, então melhor dar uma lida na autobiografia de Marjane Satrapi, a premiada Persépolis, considerada um dos grandes romances gráficos de nossa era.

Marjane tinha apenas 10 anos quando seu país, o Irã, mergulhou em um regime absolutista e tudo o que ela tomava por certo e acreditava ser imutável, se desmanchou no ar. Nessa HQ você vai acompanhar a transformação de uma menina em mulher, em meio às maiores adversidades que o ser humano pode enfrentar: a perda de sua liberdade e identidade. Persépolis é considerado um clássico dos quadrinhos e já virou até filme em 2007. O traço de Marjane é vigoroso e expressivo e você vai se apaixonar por sua narrativa. Obrigatório, seja você adolescente ou adulta.

CONTINUE LENDO

COMPARTILHE

MAIS LIDOS