Resenha: Almanaque de autocuidado

O período de transição entre o final de um ano e o começo do outro sempre me traz muitas reflexões, balanços e autoavaliações sobre o ano que passou e o que pretendo mudar ou continuar para o próximo ano, e algo que já estava em pauta para mim era focar mais no meu autocuidado e lidar melhor com a minha ansiedade. Exatamente nesse período que tive em mãos a história em quadrinhos Almanaque de Autocuidado, com arte e roteiro de Lila Cruz, que chegou como um abraço quente e uma mão amiga, com reflexões diretas e necessárias, pois nos voltarmos a nós mesmas é algo essencial durante o ano todo, e não apenas para as resoluções de ano novo.

Equilíbrio é a ideia central da produção, que permeia diversos temas, como saúde mental, ansiedade, produtividade, relação entre trabalho e vida social, formas de pensar a alimentação e nossa relação com nós mesmas e com o outro, trazendo questões do cotidiano e até mesmo formas de repensar a sua rotina e sua própria organização.

Atualmente somos bombardeadas cotidianamente pelas redes sociais que trazem uma concepção de vida perfeita e feliz, em que as tristezas, ansiedades e angústias, na maioria das vezes não estão expostas. Autocuidado é atrelado a máscaras de pele, corte de cabelo novo e stories na piscina, e é exatamente na contracorrente disso tudo que a autora dialoga, trazendo autocuidado como um processo interno, cotidiano e a longo prazo.

Achei muito pertinente o quanto a história em quadrinhos traz esse tema de forma atual e dialogando de fato com o leitor, no começo da produção a autora fala que o processo para fazer a HQ foi como uma conversa consigo mesma e que ela esperava também conversar conosco, e pelo menos para mim, foi exatamente como me senti.

Também pensando no cotidiano das redes sociais, aplicativos, home office e trabalho autônomo, a autora traz paralelos entre inteligência emocional e carreira profissional, que desconstrói diversas falácias sobre meritocracia e empreendedorismo, que  são debates atuais importantes de serem colocados, falando diretamente sobre a carreira no meio artístico, sendo mulher e negra.

A própria concepção da importância de se pensar em sua saúde mental e emocional ou em fazer uma terapia também são temas tratados com profundidade, pois não tanto tempo atrás, fazer terapia era visto como algo “de gente maluca” com muito preconceito e estereótipos, dessa forma, termos uma visão que lida com as questões de ansiedade pensando em um acompanhamento com um profissional da psicologia e/ou da psiquiatria com seriedade, sem colocar isso como frescura ou algo pequeno, é muito importante e significativo.

Assim, trazendo temas latentes ao nosso cotidiano, mas que em muitos espaços ainda são vistos como tabu ou simplesmente não são falados, a autora compartilha experiências que teve e seus aprendizados, visando contribuir para reflexões sobre autocuidado, saúde mental e equilíbrio emocional. Além do próprio conteúdo e roteiro em si, outro destaque são as artes e a narrativa visual da HQ, que contribuem para uma leitura fluída e uma narrativa pessoal e próxima, em que vemos a autora falando diretamente conosco e trazendo referências visuais que nos fazem imergir nos temas tratados, com uma composição simples e gostosa de ler.

Lila Cruz nasceu em Salvador (BA) e atualmente reside em São Paulo (SP), é quadrinista, ilustradora e formada em jornalismo, participou da edição da Revista Farpa, publicação que tem apenas mulheres em sua produção e visa a divulgação de trabalhos de diversas artistas com ilustrações, entrevistas e artigos. A relação da autora com os quadrinhos se oficializou em 2013, com a publicação de seu primeiro zine e em 2015 criou a editora independente Quadrada, onde publicou o Almanaque de Autocuidado e que também possui outros produtos da autora para venda.

Ficha técnica

Livro: Almanaque de Autocuidado

Autora: Lila Cruz

Editora: Quadrada

Ano: 2019

Páginas: 95

CONTINUE LENDO

COMPARTILHE

MAIS LIDOS